Notícias / Cidades

10/09/18 às 21:08

Por que Brasília entrou no mapa das cidades congestionadas do Brasil

Planejada para que os carros não ficassem parados nas ruas e avenidas, capital do país convive há algum tempo com congestionamentos

Débora Ramos

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Por que Brasília entrou no mapa das cidades congestionadas do Brasil

Foto: Divulgação

Construída 58 anos atrás para ser um símbolo da modernidade, Brasília hoje é exemplo do crescimento urbano desordenado. Mesmo com avenidas largas e sem semáforos para favorecer o tráfego dos veículos, a capital do país passou a conviver com o problema do trânsito -- comum na maioria das capitais brasileiras -- nos últimos tempos.
 
Segundo o Observatório Territorial, da Secretaria de Gestão do Território e Habitação do Distrito Federal, o problema são os deslocamentos de carros.
 
De acordo com os dados, 41,4% das viagens em Brasília são feitas com automóveis, contra 38% de ônibus e 10% a pé. O metrô, enfim, responde por apenas 2,6% dos deslocamentos de ida e volta para o trabalho.
 
Os números corroboram a pesquisa feita pela Companhia de Planejamento (Codeplan) que mostra que, em 2004, 51,7% das residências do DF guardavam ao menos um carro na garagem e, em 2015, esse percentual já atingia 66,8%. O serviço de despachante no Distrito Federal também registra crescimentos nos últimos anos.
 
O número de linhas de ônibus, na mesma direção do fenômeno dos carros, caiu de 811, no ano passado, para 786 no primeiro semestre de 2018, segundo o DFTrans. A empresa que administra o transporte público do Distrito Federal admite que o governo local tem uma dívida de R$ 200 milhões com as prestadoras do serviço.
 
A Codeplan também encontrou em seu estudo que, entre 2004 e 2015, o número de bicicletas ficou estável, mesmo com a construção de ciclovias por toda a capital federal. Mesmo com um crescimento de 11,4% da população do Distrito Federal entre 2012 e 2017, o percentual de domicílios com ao menos uma bicicleta passou de 30%, em 2004, para 29,3%, em 2015.
 
Para Marcos Thadeu Magalhães, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB), vários motivos explicam o problema do trânsito em Brasília. “Estratégias de descentralização e desenvolvimento econômico e social dos núcleos urbanos são essenciais para o redesenho do sistema urbano e o funcionamento da infraestrutura”, comenta.
 
“Não defendo a alteração do tombamento, mas é necessário reconhecer que ele limita as ações transformadoras do espaço, tornando insustentável a atual centralização das atividades”, acrescentou o professor.
 
Para ele, além de procurar descentralizar os serviços públicos e estimular a desconcentração das atividades econômicas, os futuros governantes deveriam melhorar a integração entre os diferentes modais de transporte público (ônibus, metrô, BRT), considerando a possibilidade de instituir tarifas diferenciadas conforme a distância de deslocamento. O acadêmico também defende que o sistema de transporte público ganharia eficiência se a frota de ônibus fosse organizada de forma a alimentar o metrô, em vez de os dois modais atuarem como serviços concorrentes.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet