Notícias / Meio Ambiente

06/09/18 às 20:27

Nova Xavantina - Famato e produtores rurais discutem mecanismos de preservação e recuperação das nascentes

Assessoria

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Nova Xavantina - Famato e produtores rurais discutem mecanismos de preservação e recuperação das nascentes

Foto: Assessoria

Com o objetivo de defender os interesses dos produtores rurais com propriedade em áreas na região da bacia do Rio Araguaia, a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) participou, no dia 31 de agosto, da reunião de “Sensibilização e Defesa das Áreas Úmidas do Araguaia”, realizada pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MP), por meio da Procuradoria de Justiça Especializada em Defesa Ambiental e Ordem Urbanística. O evento aconteceu na Praia do Sol, em Nova Xavantina, e contou com a presença de mais de 300 produtores rurais. A reunião foi comandada pelo titular da Procuradoria de Justiça Especializada em Defesa Ambiental, procurador de Justiça Luiz Alberto Esteves Scaloppe.

O analista de Assuntos Fundiários da Famato, Lino Amorim, disse que a participação da Federação foi para entender qual a proposta do MP e de que forma os produtores podem ajudar, além do que já vem fazendo pela conservação e recuperação de áreas ambientais. “Há uma preocupação por parte da Famato e dos produtores rurais do Vale do Araguaia, do que pode acontecer em relação à permanência deles na região onde constituíram família, trabalham, produzem, tiraram o sustento e levam alimento para a mesa de milhares de pessoas. Por isso, queremos entender a proposta e mostrar o que o setor produtivo rural já está fazendo, em termos de preservação, conservação e recuperação ambiental e o cumprimento das leis ambientais”, disse Lino Amorim.

Em resposta Scaloppe disse que o objetivo da reunião pública foi somente sensibilizar a sociedade mato-grossense para a importância socioambiental da conservação do Pantanal do Araguaia, região de área úmida em que está inserido o Município de Nova Xavantina e diversos municípios da Bacia do Araguaia. “O principal objetivo desse encontro é o de debater o aumento dos mecanismos de sua proteção jurídica-ambiental com o aprimoramento e interpretação de técnicas de valoração do dano ambiental, portanto, não há proposta alguma sendo discutida”, argumentou Scaloppe.

Para o produtor rural e presidente do Sindicato Rural de Água Boa, Antônio Fernandes, conhecido como Tônico, a preocupação é a mesma de milhares de produtores da região do Araguaia. “O produtor rural não tem a segurança de que ele vai poder ficar na propriedade. As leis mudam e esse produtor não tem mais a certeza de que vai poder permanecer na terra que levou a vida inteira construindo, trabalhando, produzindo e tirando o sustento da família”, discursou.

Segundo Tônico, o produtor rural preserva mais do que produz, contrariando opiniões adversas. “Nós produtores rurais preservamos. Segundo dados da Embrapa 67% do território nacional estão conservados e 34% dessas áreas quem conserva são os produtores rurais. Nós temos no Brasil 10% de áreas de lavoura e cerca de 23% de áreas de pecuária, então nós preservamos mais do que produzimos. A preocupação hoje é se houver alguma criação de parques, o que faria o produtor rural? Teria alguma indenização? Eu acredito que por enquanto não, até porque já existem produtores desapropriados em outras regiões e estão há meses e até anos esperando para receber”, salientou Tônico.

O presidente do Sindicato Rural de São Félix do Araguaia, Almir Assad, a principal preocupação está na parte social e segurança jurídica dos produtores. “Que fique como alerta, na nossa região 99% da área é conservada. O produtor rural faz uso da terra de forma passiva e consciente, de maneira que ele possa usufruir e o meio ambiente não seja agredido. Sugiro que o Estado, o Ministério Público, os grupos de trabalho e estudos nos ousam antes de tomar qualquer decisão, pois estamos falando de anos e anos de trabalho e não é justo, os que mais preservam e cuidam da terra serem prejudicados”, disse.

Também representaram o setor produtivo no evento, produtores rurais da Bacia do Araguaia e os presidentes dos sindicatos rurais de São José do Xingu, Fernando Nascimento Tulha Filho, de Cocalinho Anita Ferreira de Camargos Franco e de Nova Xavantina o tesoureiro Carlos Alberto Petter. Da Famato também participou a analista de Meio Ambiente, Laura Rutz.

Participaram da reunião, membros do Ministério Público Estadual e Federal, professores e alunos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), representantes do executivo estadual e municipal e a sociedade civil.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Coisas de Preto

Cada povo tem seu dom, sua habilidade e no Brasil temos a riqueza de todas as cores de pele,tipos de cabelo, todas as culturas do mundo, diferentes etnias. E no meu ponto de vista, a maior riqueza da humanidade é a diversidade.  Mas...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet