Notícias / Educação

02/09/18 às 21:55

Primeiras semanas de campanha mostram o peso de alianças e do agronegócio para candidatos

Concorrentes mais articulados com representantes das áreas têm mais tempo em horário eleitoral e mais dinheiro para gastar com publicidade

Reinaldo Fernandes, Circuito MT

Edição: Clodoeste 'Kassu' AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Primeiras semanas de campanha mostram o peso de alianças e do agronegócio para candidatos

Foto: Divulgação

Os pré-candidatos ao governo de Mato Grosso com mais espaço, com maiores arrecadações de fundos para campanha também são os com mais tempo no horário eleitoral gratuito em rádio e TV. Coincidentemente ou não, também são políticos com mais tempo na vida pública, confirmando a previsão de analistas sobre a influência daqueles já conhecidos pelos eleitores. 

Em quase três semanas de campanha eleitoral, Pedro Taques (PSDB, reeleição), Mauro Mendes (DEM) e Wellington Fagundes (PR) já passaram a faixa de R$ 1 milhão de dinheiro em caixa para gastar nas campanhas, com peso de contribuições financeiras da direção nacional de seus respectivos partidos, empresários e autodoações volumosas, no caso daqueles com lastro de atividade empresarial antes da carreira política. 

O primeiro a subir para o patamar dos milhões foi o democrata Mauro Mendes. Já na sua primeira, e até o momento única, prestação de contas ele informou ao TRE-MT (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso) ter arrecadado R$ 1,3 milhão. A Executiva Nacional do DEM transferiu R$ 1 milhão para Mendes, e outros R$ 300 mil foram doados pelo pré-candidato a vice, Otaviano Pivetta. 


 
Os números estão atualizados até 27 de agosto e devem ter renovação nesta semana, visto que existe prazo para os concorrentes apresentarem novas movimentações. Até a última sexta (31), a quantia representava mais que a soma de todos os outros postulantes ao governo. Mas, agora está equivalente. 

Neste sábado (1º), a Justiça Eleitoral divulgou nova atualização da movimentação de fundo do tucano Pedro Taques, que iniciou R$ 638 mil, conforme a primeira divulgação da prestação de contas no dia 24 de agosto, passou para R$ 696 no dia 28 e saltou para R$ 1,417 milhão a declaração mais recente. A direção do PSDB entregou R$ 1,2 milhão a campanha, enquanto a doação de outras pessoas físicas somou R$ 217 mil, a maioria deles declarantes de proprietários de empresas. Dez deles, juntos, formam R$ 192 mil. Em uma semana, o caixa do candidato à reeleição cresceu 122%. 

O republicano Wellington Fagundes a quantia mais baixa dentre os três, mas teve o crescimento de doação mais expressiva. Em sua primeira prestação de contas feita também há uma semana, ele disse ter entrada no fundo de sua campanha R$ 15 mil, tirados do próprio bolso, e dos quais tinha gastado apenas R$ 45. Mas já no dia 27 do mês passado, a modesta quantia subiu para R$ 515 mil e neste sábado passou para R$ 1,015 milhão. Os crescimentos são, respectivamente, de 3333% e 97%. Fagundes também recebeu R$ 1 milhão a direção nacional de seu partido, repassados em duas transferências de R$ 500 mil. 

Na outra ponte da lista de fundos, o pré-candidato pelo Psol, Moisés Franz ainda não fez prestação de contas. Arthur Nogueira (Rede Sustentabilidade) informou que arrecadou R$ 5.672. R$ 5 mil são de autodoação e R$ 672 vem de fundo coletivo (crowdfunding) e registo a doação de quatro eleitores. 

Horário eleitoral e aliados 

Os candidatos com caixas mais baixos também são os com menor tempo de exposição em rádio e TV no horário eleitoral gratuito, iniciado na última sexta-feira, e também, em tese com menos relação dentre o empresariado estadual. Moisés Franz tem ‘15 em TV e rádio, Arthur Nogueira, ‘12. O tempo reduzido por falta de representatividade filiados em mandato no Congresso e escolha pela preferência de concorrer em chapa pura são usados, igualmente pelos dois, como propaganda de campanha de “política diferente” em relação aos adversários. 

Wellington Fagundes é o candidato com mais tempo no horário gratuito, mas com um background de aliados com menos peso financeiro em relação a Mauro Mendes e Pedro Taques. Sua coligação soma 3’29, dos quais boa parte é concedida a Fagundes. Sua candidata a vice-governadora, Sueli Theis (PV), representa o setor dos empresários na chapa, e o deputado federal Adilton Sachetti (PRB), que concorre ao Senado, é a ligação com o agronegócio. Sachetti tem o apoio e a preferência do ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP). 



Já Mauro Mendes tem a seu favor um lastro de políticos tradicionais e homens do agronegócio. Otaviano Pivetta (PDT), seu candidato a vice, está dentre os candidatos mais rico do Brasil; o ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD), concorrente ao Senado, é outro empresário do agrobusiness. No espectro político, o democrata está acompanhado por Jayme Campos (DEM), que também disputa vaga no Senado, Fábio Garcia (DEM), além do próprio Fávaro. 

O Pedro Taques também um representante do agronegócio como candidato a vice, o empresário Rui Ramos (PSDB) e nome de peso do cenário político, como o candidato ao Senado, deputado federal Nilson Leitão (PSDB), integrante da bancada rural no Congresso. Tanto Mendes quanto Taques receberam doações volumosas de seus vices empresários.
 
Moisés Franz (PSOL): 15 segundos 
Pedro Taques (PSDB, PPS, PSB, PRP, Patriota, SD): 2 minutos e 9 segundos. 
Mauro Mendes (DEM, PDT, MDB, PSC, PSD): 2 minutos e 52 segundos. 
Arthut Nogueira (Rede, PPL): 12 segundos. 
Wellington Fagundes (PR, PRB, PP, PT, PTB, PROS): 3 minutos e 29 segundos.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet