Notícias / Nacional

22/09/15 às 19:03

Dólar salta a R$4,05, novo recorde histórico, com situação fiscal e política do país

Bruno Federowski

Reuters

Imprimir Enviar para um amigo
SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou no nível mais alto na história nesta terça-feira, no patamar de 4,05 reais, catapultado pelas incertezas sobre a situação fiscal e turbulências políticas no Brasil e pela perspectiva de alta de juros nos Estados Unidos ainda neste ano.

O dólar avançou 1,83 por cento, a 4,0538 reais na venda, superando o recorde anterior de 3,99 reais, de outubro de 2002. Na época, a moeda norte-americana foi impulsionada, entre outros, pelas perspectivas de que o então candidato à Presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT) seria eleito, algo que não agradava o mercado financeiro.

Na máxima dessa sessão, o dólar alcançou 4,0681 reais, recorde histórico intradia e, desde o início do ano, acumula avanço de 52,47 por cento.

"(O dólar) vai continuar subindo, sabe-se lá até onde", disse o diretor de câmbio do Banco Paulista, Tarcísio Rodrigues. "O problema é a falta de credibilidade, o ambiente de incertezas. Não há leilão que segure", acrescentou, referindo-se às intervenções do Banco Central.

No curto prazo, a maior preocupação dos investidores é que o Congresso Nacional derrube o veto ao reajuste dos servidores do Judiciário, dificultando ainda mais o ajuste das contas públicas. As preocupações seguiram fortes mesmo após o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, defender na véspera que esse veto deveria ser mantido.

A incerteza fiscal alimentou apostas de que o país poderia perder o selo de bom pagador por outras agências de classificação de risco além da Standard & Poor's. Nesta manhã, porém, o analista da Moody's Mauro Leos afirmou que o Brasil ainda está em condição melhor do que países que perderam o selo de bom pagador.

"Essas dificuldades que o governo enfrenta no Congresso deixam o país quase ingovernável do ponto de vista fiscal", disse o operador da corretora SLW, João Paulo de Gracia Correa.

O panorama externo tampouco ajudou o ânimo dos investidores. O dólar subia globalmente após uma série de integrantes do Federal Reserve, banco central norte-americano, ressaltarem na véspera que podem dar início ao aperto monetário ainda neste ano, depois de postergar na semana passada esse movimento em meio a preocupações com a economia global.

O salto da moeda dos EUA também deu força às apostas nas mesas de câmbio de que o BC pode ampliar ainda mais sua intervenção, uma vez que cotações mais altas tendem a pressionar a inflação já elevada.

Na véspera, o BC realizou leilão de venda de dólares com compromisso de recompra, mas o dólar ainda marcou o segundo maior fechamento contra o real na história. Mas não fez nesta sessão.
"(Resta) ao BC achar alguma saída para conter a desvalorização do real, pois leilão de linha não faz mais preço", escreveu o operador da corretora Correparti, em nota a clientes, Guilherme França Esquelbek.

O BC deu continuidade à rolagem dos swaps cambiais que vencem em outubro, vendendo a oferta total de até 9,45 mil contratos, equivalentes a venda futura de dólares. Ao todo, já rolou o equivalente a 6,740 bilhões de dólares, ou cerca de 71 por cento do lote total, que corresponde a 9,458 bilhões de dólares.

Foram vendidos 1,35 mil contratos para 2 de janeiro de 2017 e 8,1 mil contratos para 3 de abril de 2017. Até a véspera, o BC vinha ofertando contratos para 1º de dezembro de 2016, em vez dos swaps para janeiro de 2017.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Coronavírus. Fé. Deus é Justo!

Deixamos de direcionar nossas metas de evolução e crescimento no âmbito da moral, e pior ainda, nos preocupamos com coisas materiais que não nos levam a nada, a não ser nos dar prazer e encantamentos, exaltando...

 
 
 
 
Sitevip Internet