Notícias / Política

20/09/15 às 15:18

Maioria dos federais de MT é contra CPMF; Bezerra e Ságuas são a favor

Tarso Nunes

RDnews

Imprimir Enviar para um amigo
Maioria dos federais de MT é contra CPMF; Bezerra e Ságuas são a favor

A volta da CPMF foi sugerida por Dilma dentro do pacote fiscal divulgado nesta semana

Foto: Mário Okamura

A maioria dos deputados federais de Mato Grosso é contrária à retomada da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Conforme levantamento feito pelo Rdnews, dos oito parlamentares apenas Ságuas Moraes (PT) e Carlos Bezerra (PMDB) apoiam a volta do tributo.

Ambos acreditam que a CPMF é importante em razão da crise econômica, como uma forma para o país fazer enfrentamento ao momento. O petista acredita que a proposta deve passar por alterações. “Hoje a CPMF não passa no Congresso. É um assunto que tem rejeição. Ninguém quer votar criação de impostos. No entanto, precisa haver uma compreensão”.

Para Bezerra, a volta do tributo é “bem-vinda”, se parte dos R$ 32 bilhões estimados pelo Governo forem destinados à saúde. Além disso, o peemedebista defende que as pessoas de baixa renda sejam isentas da Contribuição. “A situação (do país) hoje é catastrófica. É preciso fazer alguma coisa”, argumenta.

A proposta da retomada da CPMF foi apresentada pelo governo federal na última segunda (14). A previsão é que seja cobrado 0,2% de cada movimentação financeira. Cerca de sete governadores da base da presidente Dilma Rousseff (PT) também apoiaram o tributo. Os chefes dos Executivos estaduais querem 0,38% de alíquota para que sejam repartidos com Estados e municípios.

O deputado de oposição Nilson Leitão (PSDB) rebate que o Governo está brincando de ser correntista, haja vista que, segundo ele, o aditivo que os governadores conseguirem será repassado a eles, no caso 0,18%. “O bloco de oposição não aceita nada que venha aumentar o tributo. O Governo não faz a parte dele, enquanto não tiver de fato corte na máquina pública”, dispara Leitão, referindo-se aos cortes de Ministérios e cargos.

O líder da bancada no Congresso, deputado Ezequiel Fonseca (PP), afirma que não há possibilidade de avançar a proposta no Congresso. “Somos contra o aumento de impostos. A solução precisa atingir o Governo e não a população que, neste caso, será a única lesada”, explica. Para os deputados Fabio Garcia (PSB) e Victório Galli (PSC) a solução para o país sair da crise não é aumentar impostos. Ambos defendem que é preciso diminuir o custo da máquina pública. “A saída é fazer ajuste e aumentar a eficiência na cobrança de impostos. Redistribuir e melhorar a tributação já existente”, ressalta o socialista.

O deputado federal Valtenir Pereira (Pros), por sua vez, alega que ainda não tem uma opinião formada acerca da retomada da cobrança do imposto. "Vamos ouvir e dialogar com todos os setores”. Segundo ele, ainda é muito cedo para opinar. Adilton Sachetti (PSB) não foi localizado pela reportagem, mas, segundo Ezequiel, já se manifestou, internamente, contrário à medida.

Senado
O senador Blairo Maggi (PR) criticou as novas medidas do governo federal para amenizar a crise econômica no país. Dentro do pacote, está a retomada da CPMF.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

New Deal no Brasil

Bairro simples da periferia. O cheiro de café ainda estava pela cozinha e transpunha a sala com móveis simples, um sofá velho e uma antiga televisão que tinha em cima dela algumas xícaras, daquelas que têm o...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet