Notícias / Educação

11/07/18 às 17:28

Em expansão, cursos a distância esbarram em população 'offline'

Brasil ainda possui 46% de casas sem acesso à Internet, segundo dados oficiais

Débora Ramos

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Em expansão, cursos a distância esbarram em população 'offline'

Foto: Divulgação

No último censo publicado pela Associação Brasileira de Ensino a Distância (Abed), os professores já demonstravam preocupação com a quantidade de pessoas com acesso à Internet no Brasil, assim como a qualidade da conexão. Os números do setor foram animadores nos últimos anos, com a duplicação das ofertas de cursos técnicos a distância, por exemplo, em um período de 10 anos, mas chegar até a população "offline" ainda é um desafio.
 
De acordo com a última pesquisa TIC Domicílios, feita em 2016, 46% dos lares brasileiros ainda estão desconectados da web. O índice sobe para 54% entre as famílias com renda entre um e dois salários mínimos. De acordo com o estudo, a maioria dessas pessoas moram nas periferias das grandes cidades e zonas rurais onde geralmente não se tem acesso à eletricidade ou água encanada.
 
Os dados da TIC ainda mostram que, em 14% das residências brasileiras, o único acesso à internet é feito apenas pelo celular. A internet móvel é a principal forma de conexão em 9,3 milhões de residências, principalmente entre as classes D e E, na Região Norte e nas áreas rurais.
 
Sem acesso, muitas pessoas pelo país ainda recorrem aos chamados telecentros: espaços com conexão gratuita e periódica em que os cidadãos podem utilizar um computador apenas apresentando o documento pessoal. No caso de São Paulo, o governo instalou há duas décadas o programa AcessaSP, com pontos de Internet em estações de trens e metrô e nas unidades do Poupatempo, mas ainda há problemas: alguns postos estão fechados e eles não funcionam durante à noite, quando muitos trabalhadores estão em casa e poderiam estudar à distância.
 
"Os cursos regulamentados totalmente a distância e os cursos livres não corporativos são os que mais fazem uso de ambientes virtuais de aprendizagem. São cursos que buscam fortemente recursos disponíveis na Internet", afirma Cristiana Mattos, professora e coordenadora de Tecnologia Educacional do Colégio Bandeirantes, de São Paulo.
 
“Falar em acesso universal e democrático significa ultrapassar a barreira da infraestrutura de telecomunicações, que hoje é insuficiente e distribuída de forma extremamente desigual e estabelecer condições especiais de contratação, que atendam aos consumidores de baixa renda”, destacou a especialista em políticas de telecomunicações e advogada da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), Flávia Lefèvre.
 
Outra barreira a ser ultrapassada para a universalização do acesso, segundo Lefèvre, diz respeito aos planos. É necessário fiscalizar a atuação comercial dos provedores de acesso à internet, cujos planos ofertados no mercado desrespeitam garantias básicas conquistadas com o Marco Civil da Internet (Lei nº 12.965/2014), entre elas, a continuidade da prestação do serviço e a neutralidade da rede.
 
Desde que o Marco Civil da Internet foi aprovado, em 2014, o acesso à internet é considerado um serviço essencial para todos e condição fundamental de garantia da cidadania. Cada dia mais, aspectos da vida cotidiana dos cidadãos dependem da conexão à rede, por exemplo, o pagamento de contas, o acompanhamento sistemático da gestão pública e até mesmo a inscrição em concursos públicos.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Juacy da Silva

Envelhecimento e saúde integral

A saúde, não no sentido simplesmente de ausência de doença,  mas sim, como enfatiza a Organização Mundial da Saúde, organismo especializado da ONU para esta área,  como “o mais...

 
 
 
 
Sitevip Internet