Notícias / Justiça

18/09/15 às 07:36

MAIS BOMBA: Ex-secretário estaria negociando delação premiada

Kamila Arruda

Diário de Cuiabá

Imprimir Enviar para um amigo
MAIS BOMBA: Ex-secretário estaria negociando delação premiada

Ex-secretário Marcel Cursi sendo conduzido à Delegacia Fazendária

Foto: Otmar de Oliveira

Preso preventivamente acusado de envolvimento em um esquema de concessão irregular de incentivos fiscais, o ex-secretário de Fazenda Marcel de Souza Cursi estaria analisando a possibilidade de firmar um termo de delação premiada com a Delegacia Fazendária.

A defesa do ex-gestor, promovida pelo advogado Hélio Nishiyama, já estaria em fase de negociação. A informação, entretanto, não foi confirmada pelo jurista.

Cusi é classificado como um dos “mentores intelectuais” do esquema. A classificação é feita pela juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane de Arruda, que foi responsável por decretar a prisão preventiva dele, do ex-chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf e do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

Conforme a magistrada, o ex-secretário tirou vantagem do fato de possuir vasta experiência na área tributária, uma vez que é servidor de carreira da Secretaria de Fazenda.

“Na época dos fatos, ocupava o cargo de secretário adjunto da Receita Pública e, posteriormente, secretário de Estado da Fazenda. Portanto, tinha conhecimentos técnicos e, ainda, poder para, utilizando de suas atribuições junto à Sefaz/MT, criar obstáculos ao exercício da atividade empresarial” desatacou a juíza.

Na decisão, Selma ainda afirma que Cursi foi quem atraiu o empresário João Batista Rosa, do grupo Tractor Parts, para o esquema. O empresário firmou termo de delação premiada com a Delegacia Fazendária.

Investigações conduzidas pela Polícia Civil ainda dão conta que o ex-secretário em conluio com Nadaf continuaram com a prática criminosa, mesmo após o termino do mandato de Silval.

Em sua delação, Batista afirma que o ex-chefe da Casa Civil o procurou em maio deste ano solicitando dinheiro para o pagamento de advogados, que atuaria em sua defesa e na defesa das empresas grupo Tractor Parts junto à CPI da Renúncia Fiscal, instaurada no âmbito da Assembleia Legislativa.

Na oportunidade, o empresário teria repassado R$ 30 mil para o ex-secretário. Apesar disso, Nadaf teria voltado a procurar Batista exigindo a quantia de R$ 15 mil. O montante seria repassado a Cursi.

Ambos estão presos desde a última terça-feira (15) no Centro de Custódia de Cuiabá. O ex-governador está foragido, mas a sua defesa já impetrou com um pedido de habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça na tentativa de cassar a decisão que decretou a sua prisão preventiva.

A defesa dos ex-secretários, entretanto, ainda não ajuizou nenhuma medida para garantir a liberdade.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

A arte é única e o artesanato é repetição

Deus seria um artista ou um artesão? Qual composição musical pode ser chamada de artesanato ou arte? Qual trabalho em geral deve ser denominada arte e qual artesanato?   Como está a arte no Brasil? Num país...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet