Notícias / Agronegócios

21/06/18 às 11:26

Mato Grosso mais perto do fim da vacinação da Febre Aftosa

Assessoria

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Mato Grosso mais perto do fim da vacinação da Febre Aftosa

Foto: Assessoria

Começou ontem (19) e vai até amanhã (21), no Palácio Paiaguás, em Cuiabá, o debate entre os cinco estados brasileiros que fazem parte do Bloco V para as ações do Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), que prevê a retirada total da vacinação no país até 2023. Para isso, estão previstas 102 ações a serem executadas em todo o país. O Sistema Famato tem participado ativamente das discussões e contribuições para o plano.
 
A previsão é que até maio de 2021 seja feita a última campanha de vacinação contra a febre aftosa no Brasil, conforme o cronograma do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Mas Mato Grosso já trabalha para que a partir de 2019 alguns municípios comecem a retirada, como Rondolândia, parte de Colniza e algumas propriedades de Comodoro e Juína que são totalmente dependentes do comércio com Rondônia, que faz parte do bloco I, conforme informou a presidente do Instituto de Defesa Agropecuária (Indea-MT), Daniella Bueno.
 
Esta foi a primeira reunião do bloco V, do qual fazem parte os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Este último é o único que já é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação, desde 2007. Para a retirada da vacina, os estados da federação foram divididos em cinco blocos pecuários para que seja feita a transição de área livre da aftosa com vacinação para sem vacinação gradativamente.
 
O objetivo da reunião é discutir os custos, a sustentabilidade do plano e a mudança da cultura tanto do produtor quanto do serviço oficial de sanidade. As diretrizes básicas do PNEFA preveem gestão compartilhada entre governos e iniciativa privada; aperfeiçoamento das capacidades do Serviço Veterinário Oficial (SVO); regionalização das ações; sustentação financeira; adequação e fortalecimento do sistema de vigilância; agilidade e precisão no diagnóstico; previsão de imunógeno (partícula, molécula estranha ou organismo capaz de induzir uma resposta imunológica) para emergências veterinárias; cooperação internacional e educação em saúde animal.
 
O presidente do Sistema Famato, Normando Corral, destacou a importância de se estabelecer três ações para que o plano seja executado com eficácia. “Para que este plano tenha sucesso, penso que três exigências devem acontecer: uma é a competência e capacidade técnica que eu tenho certeza de que o Mapa e os Institutos de Defesa Agropecuária têm, os outros são a vontade política e os recursos. Sem qualquer um desses três pilares esse plano não acontecerá. Nós da iniciativa privada sabemos que parte dos custos caberá a nós, mas há um limite para isso. E o limite é dado pelo rigor da aplicação dos recursos e necessidade da aplicação desses recursos. Bem instalado esse tripé, tenho certeza de que conseguiremos conquistar esse status de livres da febre aftosa sem vacinação”, discursou Corral.
 
Segundo o diretor do Departamento  de Saúde Animal (DAS/Mapa), Guilherme Marques, o PNEFA  terá 10 anos de duração. Começou a ser executado em 2017 e vai até 2026. É uma política de estado com a participação do setor privado, dos governos federal e estadual e que possibilitou ao país alcançar este ano o reconhecimento pela OIE de país livre de febre aftosa com vacinação. “O plano não tem apenas o objetivo de tirar a vacina, mas sim de dar sustentação para essa conquista, pois pretendemos ter o reconhecimento do Brasil como livre de aftosa sem vacinação em 2023. Mas o plano vai até 2026, ou seja, com mais 3 anos de fortalecimento”.
 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Welyda Cristina de Carvalho

Ampliação da produção já depende de ferrovias

Todo ano, empresários do setor, produtores e governos têm dificuldade de criar condições para transportar grãos Uma nova safra recorde de milho e algodão começou a ser colhida e deve avançar...

 
 
 
 
Sitevip Internet