Notícias / Justiça

02/07/15 às 23:32

Ex-deputado Riva fala em "Deus" e diz que prisão foi "absurda"

O ex-presidente da Assembleia Legislativa foi preso novamente durante operação do Gaeco, na quarta-feira (1º)

CAMILA RIBEIRO E LUCAS RODRIGUES

MÍDIA NEWS

Imprimir Enviar para um amigo
Ex-deputado Riva fala em

Bruno Cidade/MidiaNews

Foto: O ex-deputado José Riva, no momento em que saiu da prisão

O ex-deputado José Riva (PSD) deixou o Centro de Custódia de Cuiabá, nesta quinta-feira (2), por volta das 15 horas. 

Ele estava preso desde a manhã de ontem (1º), em razão de decisão da juíza Selma Arruda, da 7ª Vara Criminal da Capital, na "Operação Ventríloquo", deflagrada pelo Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). 

A magistrada assinou o alvará de soltura em favor do ex-deputado por volta das 13h. 

Ao deixar a prisão, Riva preferiu não comentar sobre uma possível perseguição por parte da juíza Selma Arruda.

O político afirmou à imprensa que "acredita em Deus" e que está "muito feliz" com sua liberdade.

"Eu acredito na Justiça e, por isso, é importante ir até o último grau de jurisdição. É um absurdo o que aconteceu, mas, por isso, é importante acreditar em Deus, acima de tudo", disse.
Quanto ao teor da denúncia da operação que resultou em sua prisão, Riva apenas afirmou que "o tempo é que vai dizer e a verdade vai aparecer".

Ainda à imprensa, o ex-deputado disse que irá aproveitar sua liberdade para comemorar com sua neta, que está fazendo aniversário de 6 anos.

Revogação da prisão

A prisão do ex-deputado foi revogada no início da noite de quarta-feira (1), pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão atendeu à petição protocolada na tarde de ontem, pela defesa do ex-deputado, representado pelos advogados Valber Melo e Rodrigo Mudrovitsch.

Em sua decisão, o ministro criticou a conduta da juíza Selma Rosane.

Segundo ele, a magistrada estaria "indisposta" a cumprir decisão anterior do STF, que determinou a liberdade do político no último dia 24 de junho.

Operação Ventríloquo

A nova prisão decretada contra José Riva teve como base a Operação Ventríloquo, do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual.

O Gaeco acusa o ex-deputado de ter comandado um esquema que teria desviado mais de R$ 10 milhões da Assembleia Legislativa, entre 2013 e 2014.

Na operação também foi preso o ex-secretário de finanças da AL-MT, Luiz Márcio Bastos Pommot.

Também foram feitas buscas e apreensões na Assembleia, na residência de Pommot e 15 pessoas foram convocadas a depor ao Gaeco, incluindo o empresário Cidinho Santos (PR), suplente do senador Blairo Maggi (PR).

O Gaeco destacou que Riva cometeu os crimes mesmo tendo ciência de que estava sendo investigado pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual, na Operação Ararath.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

As mulheres da minha vida

Thomires era o nome da minha avó paterna.  Descendente de franceses, tinha a pele muito alva e os olhos azuis claros, que lembravam o mar. O louro esbranquiçado do seu cabelo remetia-me aos das minhas bonecas. Adorava admirar o...

 
 
 
 
Sitevip Internet