Notícias / Negócios

15/06/18 às 17:45

Por que o mercado imobiliário de Caracas pode ser vantajoso mesmo em meio à crise

Com muita gente querendo fugir da Venezuela, preços das propriedades estão baixos: quem tiver confiança no futuro pode fazer dinheiro, dizem especialistas

Débora Ramos

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Por que o mercado imobiliário de Caracas pode ser vantajoso mesmo em meio à crise

Foto: Divulgação

Em 200 metros, se encontram um protesto contra o governo que acaba em repressão da polícia, uma fila para comprar pães e uma torre de escritórios de luxo em rápida construção. As três cenas em Chacao, cidade com a maior renda per capita da Venezuela, na região metropolitana de Caracas, explicam à sua maneira a crise econômica do país.
 
Bastião das classes média e alta venezuelanas, o município foi o epicentro dos protestos contra o presidente Nicolás Maduro no ano passado. "É a Manhattan de Caracas", disse o ex-prefeito da cidade, Ramón Muchacho, em entrevista à agência estadunidense Bloomberg. A semelhança com a ilha nova-iorquina não é invocada à toa: conforme se erguem os edifícios e shoppings, mais Chacao tenta, de fato, imitar a metrópole dos EUA.
 
A polarização pode ser vista mesmo nos canteiros dos projetos urbanísticos. Entre duas torres em uma mesma avenida, é possível ver duas pichações contra e a favor do governo. "Estamos em ditadura", de um lado do muro, e "Fora MUD traidores", em outra, uma referência à Mesa de la Unidad Democrática (MUD), coalizão de partidos da oposição à Maduro. São sinais, também, de uma batalha política que afetou as próprias obras.
 
No lado sul da avenida Francisco de Miranda, já está quase pronto o prédio chamado de "Recreo la Castellana", que terá um hotel butique da multinacional espanhola Meliá, um centro comercial de luxo e uma pequena torre de escritórios. A direção do projeto admite problemas de momento para a venda de lotes comerciais, mas o jornal El Universal publicou no mês passado que os 6 mil metros quadrados de escritórios já foram vendidos.
 
Do outro lado da mesma avenida, o mesmo acontece com outros dois projetos: apesar de estarem apenas no concreto nu, tudo já foi vendido.
 
A inflação venezuelana atingiu 720% de alta em 2017, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). No entanto, os dados imobiliários vão contra a tendência de crise: nos últimos meses, cresceu a busca por imóveis no país. O motivo: a desvalorização do bolívar, a moeda local, além do controle rígido do Estado ao câmbio.
 
"São contas de poupanças feitas de tijolo", contou o arquiteto Frank Alcock à Bloomberg, se referindo às duas torres de Chacao. Segundo a agência, um banco já comprou uma das duas torres e uma empresa multinacional do ramo de alimentação, a outra. O cimento não apenas se desvaloriza, mas também pode se revalorizar.
 
Algumas empresas, principalmente estrangeiras, que lidam melhor com as crises, não podem repatriar seus dividendos em dólares, já que a moeda internacional é represada pelo governo. Assim, elas passaram a tentar contornar a depreciação do bolívar nas contas dos bancos investindo em um setor mais seguro: o da construção civil. Em setembro de 2017, um dólar no mercado de câmbio oficial rondava os 700 bolívares. Agora está 3.250. O dólar paralelo, que serve de referência para o cotidiano do país, alcançou os 17.700 recentemente.
 
"Os compradores buscam proteger seu dinheiro em moeda local em 'bens-raízes, em escritórios e apartamentos, e não perder mais com a desvalorização monetária", diz Eduardo Marques, professor da USP. "Na dúvida, um imóvel é sempre mais seguro do que o dinheiro no banco", concorda Guilherme Blumer, da Brasil Brokers.
 
O fenômeno é mais claro quando se lê os panfletos de venda dos imóveis. Um deles, disponível na Internet, diz para "comprar em bolívares e proteger seu dinheiro". Segundo especialistas imobiliários, há outro fator em jogo: pode ser o momento ideal para investir em uma das cidades que outrora tinham o metro quadrado mais caro da América Latina.
 
Hoje, Caracas é a capital mais barata para se viver hoje na região, com um metro quadrado avaliado em torno de US$ 519 (R$ 1.844). Depois da cidade, estão Quito, no Equador (US$ 1.363 - R$ 4.843), Guadalajara, no México (US$ 1.409 - R$ 5.006), e Bogotá, na Colômbia (US$ 1.464 - R$ 5.201).
 
A crise política colabora para a queda acentuada: por causa dela houve uma sobre-oferta acentuada de escritórios nos últimos anos, fruto das fugas das classes mais altas do país nos últimos anos depois dos confrontos com o governo. Hoje, para ter um imóvel em Caracas, basta ter alguns bolívares e confiança no fim da crise. O benefício de venda futuro pode ser enorme, advertem alguns economistas.
 
"É uma grande oportunidade para quem acredita que o mercado vai se recuperar", disse Ali Venturini, diretor de uma imobiliária de Chacao, à agência britânica BBC. Para ele, o comprador venezuelano tem um grande poder de barganha, porque há muita gente desesperada para vender suas propriedades. São pessoas que querem viver em outros países e dependem do dinheiro dos seus imóveis para começar uma nova vida no exterior. "O desespero não é um bom conselheiro para fazer negócios", finaliza.
 
 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

Vinho chileno com sabor de rebeldia

Já fui melhor nisso. Uns dez anos atrás, eu era um apreciador de vinhos. Na época, isso era uma espécie de moda, e, de todos os vinhos, o que eu menos apreciava era o chileno. Talvez em razão do meu paladar mais...

 
 
 
 
Sitevip Internet