Notícias / Meio Ambiente

13/06/18 às 18:52

Manaus (AM) - Uma grande estratégia para a conservação

Diagnóstico aponta crescimento da quantidade de peixes e outros benefícios do manejo de pirarucu.

Dafne Spolti/OPAN

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Manaus (AM) - Uma grande estratégia para a conservação

Pesca manejada de pirarucu na RDS Uacari.

Foto: Adriano Gambarini/OPAN

O manejo de pirarucu, desenvolvido por comunidades ribeirinhas e indígenas do Amazonas, é fruto de um longo processo de construção, e por isso tem uma solidez proporcional à própria existência da espécie, cuja ancestralidade remonta ao período de 200 a 250 mil anos atrás. Hoje, a segurança do Arapaima gigas, como é chamado cientificamente, e de toda história que ele carrega, se deve especialmente às populações dos rios Solimões, Negro, Juruá e Purus e outros afluentes da bacia amazônica, que, pelas etapas do trabalho, livraram a espécie das ameaças de extinção*.

Com a vigilância aos lagos e a retirada de no máximo 30% dos animais adultos (acima de 1,5 metros) identificados no local, como estabelecido na Instrução Normativa 001/2005, do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e pelo decreto estadual 36.083/2015, os pirarucus dobraram em quantidade. Hoje são 210,3 mil peixes a mais do que em 2012, o que representa um aumento médio de 60%, como foi apresentado na última semana, em Manaus, durante o seminário “Diagnóstico do manejo de pirarucu em áreas protegidas do Amazonas”.

Apresentação diagnóstico.jpg
Apresentação do diagnóstico do manejo de pirarucu. Foto: Dafne Spolti/OPAN.
 
Além do pirarucu, isso demonstra o ganho ecológico de todas as regiões manejadoras, que hoje têm fartura de outros peixes, quelônios e ainda a garantia da floresta em pé, já que o manejo envolve diversas etapas como o zoneamento dos lagos – alguns são guardados exclusivamente para a proteção da espécie, para consumo da comunidade e outros para a retirada de uma cota de peixes – e a vigilância territorial realizada em 100% das 34 áreas protegidas e regiões de acordos de pesca analisadas no diagnóstico.

Nessas regiões, que representam 78% de toda a cota do Amazonas em 2017, são 120 mil quilômetros quadrados de áreas protegidas com contribuições do manejo, o equivalente a 10 cidades de Manaus ou aproximadamente três estados do Rio de Janeiro. “Esta é uma atividade que evita o desmatamento na Amazônia. Não é zero porque tem o uso das comunidades, mas é quase zero”, destacou Ocemir Salve dos Santos, coordenador do manejo da Associação dos Comunitários Que Trabalham com o Desenvolvimento Sustentável no município de Jutaí (ACJ).

Ocemir.jpg
Ocemir Salve dos Santos, da ACJ. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Além dos ganhos ambientais, o manejo de pirarucu, realizado desde 1999, tem ganhos culturais e para a organização social. É inerente à atividade o trabalho em equipe e, com isso, as comunidades conseguem ficar unidas e fortalecidas. “A organização é a sustentação que garante que o manejo possa acontecer”, destacou Ana Cláudia Torres, do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá.

Por esses resultados, o manejo tem sido reconhecido como um dos projetos de conservação mais eficientes do mundo. O pesquisador João Vítor Campos-Silva observou que cada vez mais há iniciativas conciliando conservação ambiental e melhoria da qualidade de vida de populações em todo o planeta e que isto é medido por um conjunto de critérios, entre eles, ter lideranças fortes, trabalhar espécies com importância cultural, consolidar o zoneamento espacial e desenvolver o monitoramento participativo. “Talvez o manejo de pirarucu seja o único caso do mundo que satisfaça todos esses critérios”, disse ele, apontando que a atividade, portanto, tem tudo para se fortalecer ainda mais.

Adriano.jpg
Pesca manejada na RDS Uacari. Foto: Adriano Gambarini/OPAN.
 
Um dos maiores desafios é a comercialização a preços justos. Apesar de avanços na geração de renda, que aumentou em 55% entre 2012 e 2016, os preços pagos pelo quilo só vêm diminuindo. A questão foi apontada no diagnóstico e discutida pelos participantes durante o seminário.

Leia mais sobre o mercado do manejo de pirarucu, clicando aqui.
 
* Consultar espécies ameaçadas no portal da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN).
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Evandro Carlos

Mauro Mendes, seu plano era “iludir”? Que pena, o meu era te fazer feliz!!!

A música Milu, do cantor mineiro Gustavo Lima, é um dos grandes hits da musica nacional da atualidade, nela o interprete conta a historia de alguém que vive iludido, lembrando que quem cai uma vez, cai três, mas que ele...

 
 
 
 
Sitevip Internet