Notícias / Negócios

12/06/18 às 14:47

Como a Fujifilm sobreviveu à era digital

Antes uma gigante dos filmes fotográficos, a empresa encontrou novas aplicações para suas tecnologias no mercado de cosméticos e nos planos de saúde

Débora Ramos

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Como cientista da gigante japonesa Fujifilm, Tomoko Tashiro foi designada para desenvolver uma tecnologia de papel fotográfico colorido, mas quando retornou ao trabalho depois de dar a luz, em 2005, ela teve uma grande surpresa quando seu chefe lhe perguntou se ela toparia se aventurar no setor de cosméticos da mesma empresa.
 
"Eu fiquei em choque. Estava insegura se o projeto poderia ser realizado ou não", disse ela à revista Channel New Asia. "Todo mundo estava preocupado pensando em como uma empresa de tecnologia podia aplicá-la no campo dos cosméticos", completou.
 
Hoje, o mercado de cosméticos e os cuidados de saúde são as divisões mais lucrativas da Fujifilm, contribuindo com mais de US$ 3,4 bilhões de receitas anuais. O desejo de fazer mudanças drásticas e de adaptar-se rapidamente às transformações do mercado é o que manteve a empresa - outrora uma gigante do mercado de filmes fotográficos e de revelação de fotos no mundo - viva e próspera quando a era digital chegou para valer - e que levou a rival Kodak à bancarrota.
 
Fundada em 1934, por décadas a empresa desfrutou de um quase monopólio do mercado de filmes fotográficos no Japão. Quando a primeira onda de digitalização chegou, nos anos 1980, foi sentida apenas nos mercados de negócios. A Fujifilm pareceu estar adiante da curva provendo raios-X digitais aos hospitais.
 
O presidente e CEO da Fujifilm, Shigetaka Komori, diz que a empresa decidiu não rejeitar as tecnologias digitais, apesar de considerá-las um "canibalismo". "Nós comeríamos nossa própria divisão analógica", contou à Channel New Asia. Ele segue: "Se nós não fizessemos isso, alguém faria. Foi por isso que decidimos entrar no digital e nos tornar um player nesse ramo".
 
Em 1988, a empresa lançou a primeira câmera fotográfica totalmente digital, batizada de FujiX. Podia arquivar de cinco a 10 fotografias em um cartão de memória e alcançar até 1.1 megapixels de resolução. Mas era cara mesmo para os padrões japoneses: custava mais de US$ 10 mil (R$ 37 mil, na cotação de junho), o que a acabou reduzindo aos profissionais e à indústria de comunicações, como jornais e revistas.
 
A empresa seguiu sem sobressaltos, mas não vivia ainda a era completamente digital. Incrivelmente, o mercado de filmes fotográficos continuou a crescer até o início dos anos 2000. Em 2001, por exemplo, dois terços dos lucros da Fuji vinham das vendas dos rolos de fotos no seu país de origem. À época, ela chegou a abandonar suas aventuras, mesmo tendo sido a pioneira no projeto de câmeras digitais.
 
A empresa sentiu que a imagem impressa sobreviveria e investiu milhões em um novo produto, a Instax Mini, uma câmera analógica que permitia que as fotos fossem impressas segundos depois de clicadas. Em 2002, de acordo com a própria Fuji, a máquina vendeu ao menos 1 milhão de unidades pelo mundo.
 
Porém, a era digital viria para valer no ano seguinte - e a Fujifilm foi atingida fortemente. As vendas de filmes caíram um terço em menos de um ano. Em apenas seis meses, as lojas foram de quase 5 mil rolos fotográficos por dia para menos de 1 mil. Um mercado que significava o grosso dos lucros desapareceu em um piscar de olhos. "Eu acreditei que o filme colorido não desapareceria facilmente, mas a onda digital destruiu tudo em instantes", revelou Komori.
 
Anos depois, com a chegada dos celulares, a revolução chegou de fato à fotografia. Mais baratas e rápidas, além de compartilháveis em redes sociais como o Facebook e o Instagram, as fotografias digitais fizeram com que o filme se tornasse quase obsoleto. Num primeiro momento, as reações foram ruins: a Fujifilm tomou a decisão de cortar 5 mil empregos em suas fábricas de rolos fotográficos e cortou mais de US$ 5 bilhões (R$ 40 b bilhões) em custos de produção, ao mesmo tempo em que iniciou uma batalha em busca de novas fontes de receitas.
 
A solução, segundo Komori, seria um plano revolucionário de diversificar os mercados atendidos pela Fujifilm em áreas como a farmacêutica, a cosmética e a de saúde. Elas pareciam completamente incongruentes com a fotografia, mas a empresa sempre soube que suas tecnologias tinham potencial de aplicação para além do ramo das fotos.
 
A empresa tinha acumulado cerca de 20 mil componentes químicos em quase um século de pesquisas. Todos eram originalmente desenvolvidos para filmes fotográficos, mas agora poderiam ser ingredientes para a nova divisão farmacêutica da Fuji.
 
Na parte de cosméticos, a empresa usou os mesmos processos e componentes químicos que foram criados para evitar a descoloração das fotos nos papéis para aplicação na pele - prevenindo da flacidez ao desbotamento. Logo, a empresa desenvolveu drogas para combater câncer e doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer e outras enfermidades infecciosas.
 
Hoje, os filmes fotográficos contam por 1% das receitas da empresa - eram 70% no passado. Komori, no entanto, acredita que a empresa deve sempre proteger a cultura fotográfica e mantê-la viva.
 
"A humanidade não pode viver sem a foto", disse ao Channel New Asia. "Nós não fazemos nenhum dinheiro com ele, mas vamos manter a produção de filme colorido. Não importa o que, nós não vamos desistir nunca da fotografia", finalizou.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

João Spenthof

Cooperativismo de crédito: trabalhar para transformar

Cooperar é uma palavra que tem várias definições. Uma delas é operar em conjunto, é – o que podemos dizer – ser coautor(a) de uma mesma obra. Esses “coautores” são chamados de...

 
 
 
 
Sitevip Internet