Notícias / Educação

21/04/18 às 10:06

Saiba como funciona a educação indígena

Constituição prevê que escolas indígenas, inseridas no sistema educacional brasileiro, possuam características comunitárias e interculturais

Samantha Marinho, Gazeta do Povo

Edição: Clodoeste 'Kassu' AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Saiba como funciona a educação indígena

Foto: Agência Brasil

As regras que norteiam o sistema educacional indígena no Brasil são determinadas pelo Ministério da Educação (MEC) com base em seis metas principais que simplificam, mas não refletem de forma realista, a educação indígena no país. 

A partir da Constituição de 1988, as escolas indígenas, inseridas no sistema educacional brasileiro, possuem características de serem comunitárias, interculturais, bilíngües, específicas e diferenciadas. 

A partir da Constituição de 1988, as escolas indígenas, inseridas no sistema educacional brasileiro, possuem características de serem comunitárias, interculturais, bilíngües, específicas e diferenciadas. 

Apesar de o artigo 78 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 1996 estabelecer que “desenvolverá programas integrados de ensino e pesquisa, para oferta de educação escolar bilíngüe e intercultural aos povos indígenas, com os objetivos de: I. Proporcionar aos índios, suas comunidades e povos, a recuperação de suas memórias históricas, a reafirmação de suas identidades étnicas; a valorização de suas línguas e ciências; e II. Garantir aos índios, suas comunidades e povos o acesso às informações, conhecimentos técnicos e científicos da sociedade nacional e demais sociedades indígenas e não indígenas”, o que acontece de fato está longe do determinado há mais de 20 anos. 

Para aqueles estudantes que superam as etapas dos ensinos fundamental e médio e ainda almejam ingressar no ensino superior, os percalços continuam, mesmo com o sistema de cotas para o ingresso de estudantes indígenas em algumas universidades do país. 

Para isso, o interessado, mesmo vindo de uma situação escolar desigual, deverá participar do ENEM (Lei 12.711, regulamentada pelo Decreto nº 7.824/2012). Além disso, há o Programa Bolsa Permanência do MEC (portaria n. 389 de 9 de maio de 2013) que garante cerca de R$ 900,00 ao mês para que esses estudantes possam se afastar das atividades laborais das tribos e continuarem em sala de aula. 

Superação

Shirlene Sampaio, indígena e estudante do curso de Gestão Pública no Instituto Federal de Brasília (IFB), deseja finalizar o curso e retornar à sua tribo Tukano para utilizar o conhecimento adquirido para ajudar seu povo que vive a 100 km do município de São Gabriel da Cachoeira, na fronteira entre Venezuela e Colômbia. 

Segundo a estudante, não há muito interesse em ter os direitos indígenas efetivados uma vez que não há estrutura e as escolas são precárias. “Eu não tive escolha, já que na minha aldeia só tinha até a 4ª série e a Lei de Diretrizes e Bases ainda não existia. Tive que ir para o centro-oeste estudar”, conta. 

Shirlene ressalta que é importante que índios tenham a consciência de preservar e perpetuar a própria cultura mesmo com o contato com os não-indígenas. 

“A maioria das crianças já nasce falando português para poder buscar uma chance de estudo ou de trabalho nas cidades próximas. Mas é importante praticar a língua materna, por mais difícil que seja”, diz. 

Além das vagas para cotistas, há ainda a possibilidade de ingresso nas universidades por meio do vestibular indígena que ocorre, além da capital federal, em 4 estados do Brasil: Paraná, Amazonas, Pará, Roraima. 

“Se observa que, para o indígena que vem da aldeia, é muito mais justo o vestibular específico do que o sistema do ENEM. O índio concorre de igual para igual. Mas são pouquíssimas as oportunidades pelo país”, afirma André Ramos. 

Como não deve funcionar 

No início do ano, na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMT), foi discutida a “Qualidade da Educação Escolar no Território Xavante” durante o III Fórum Tsihorirã, espaço autônomo e permanente de discussão e articulação para o fortalecimento da educação escolar indígena no território Xavante. 

Os pontos focais foram, ironicamente, os garantidos nos tais documentos oficiais: efetivação do currículo escolar diferenciado, aprendizado da língua materna e escolas de qualidade para que o estudante possa permanecer na aldeia, sem ter que ir para as cidades para estudar. 

Especialistas acreditam que as propostas oficiais para a educação indígena são, sem dúvida, bons documentos de proteção e manutenção da cultura dos índios. Outras minorias não têm suas raízes históricas respaldadas tão claramente na Constituição. Mas de nada adianta sancionar sem efetivar. 

O que, de fato, os índios têm hoje são falta de infraestrutura e ausência de representação indígena nos Conselhos de Educação, além de discriminação e preconceito dos órgãos públicos. 

“O índio tem consciência de que necessita preservar suas tradições. Isso se vê nas reuniões. Como também tem consciência das dificuldades do enfrentamento”, afirma Ramos. 

Para ele, não se estrutura um sistema de educação diferenciado e específico, como o indígena, de fora para dentro: esse método foi imposto há 500 anos e já teve sua ineficiência provada.

Para os índios, é preciso que haja sinergia entre educação oficial e tradição, onde uma complementa a outra, uma interage permanentemente com a outra, com troca de conhecimentos e perpetuação de aprendizados constantes. 

Colaborou: Andressa Muniz
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

As mulheres da minha vida

Thomires era o nome da minha avó paterna.  Descendente de franceses, tinha a pele muito alva e os olhos azuis claros, que lembravam o mar. O louro esbranquiçado do seu cabelo remetia-me aos das minhas bonecas. Adorava admirar o...

 
 
 
 
Sitevip Internet