Notícias / Agronegócios

07/04/18 às 08:43 / Atualizada: 07/04/18 às 09:03

Crise - Alto custo na produção inviabiliza suinocultura em Mato Grosso

Assessoria

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Crise - Alto custo na produção inviabiliza suinocultura em Mato Grosso

Foto: Assessoria

Produtores chegam a registrar prejuízos de até R$ 70 por animal abatido O custo de produção tem se mostrado um grande problema para os suinocultores mato-grossense no primeiro trimestre de 2018. Isso por que os principais insumos estão com valores cada vez mais altos. O preço da saca  de 60kg milho que chegou a R$30  e do farelo de soja R$1127,00 (tonelada)  (que representam 70% e 20% respectivamente na composição da ração), tem registrado alta durante várias semanas seguidas desde o início do ano.

Para piorar, a Operação Carne Fraca (março de 2017) e o embargo à carne suína imposto pelo Rússia (Novembro 2017) derrubaram os preços da proteína no mercado interno. "Antes de ser deflagrada a operação Carne Fraca o preço médio do quilo do suíno estava em torno de R$ 4,00, e no final do ano, logo após as restrições da Rússia esse preço despencou chegou ao preço de R$ 2,55, praticado em março deste ano", ressalta o diretor-executivo da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Custódio Rodrigues.

Para entender a crise a conta é simples. Com o alto custo de produção e baixo valor nas vendas as contas não fecham. Na primeira semana de abril o quilo do suíno atingiu valor de R$2,53, no entanto para pagar os custos de produção o valor precisa chegar ao mínimo de R$3,30.  

"O suinocultor trabalha hoje com um prejuízo em média de R$ 70,00 por animal de 100 quilos vendido. Muitos produtores só não abandonaram a atividade ainda graças a suspensão do preço de pauta e a diminuição do ICMS de 12% para 6%", explica Custódio.

Nos primeiros meses deste ano em Mato Grosso a tonelada do farelo de soja aumentou em torno de 12% e o preço do milho também registrou alta de aproximadamente 5%. A Acrismat tem buscado soluções, mesmo que paliativas, para aliviar o impacto desses insumos nos custos de produção.  

"Solicitamos ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) junto com a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), que o ministério aumente de 10 para 17 toneladas o limite de cada produtor para comprar nos estoques da Conab o milho de balcão. Uma forma de atender principalmente criadores de pequeno porte", explica Custódio. 

Já o motivo para as seguidas baixas no preço do quilo do suíno em Mato Grosso, segundo Custódio, se deve por conta da restrição à carne suína brasileira determinada pela Rússia e também ao baixo consumo interno da proteína, o que afeta negativamente seu valor no mercado. "Os preços caíram também em função da Rússia, que fechou as portas e não importou nada este ano, resultando em uma queda de 30% nas exportações brasileiras. A quaresma tradicionalmente puxa os preços para baixo, pois já é de conhecimento nosso que o consumo diminui", conclui o diretor executivo.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Evandro Carlos

Mauro Mendes, seu plano era “iludir”? Que pena, o meu era te fazer feliz!!!

A música Milu, do cantor mineiro Gustavo Lima, é um dos grandes hits da musica nacional da atualidade, nela o interprete conta a historia de alguém que vive iludido, lembrando que quem cai uma vez, cai três, mas que ele...

 
 
 
 
Sitevip Internet