Notícias / Educação

09/09/15 às 15:17

Edições Sesc São Paulo lançam livro que apresenta a história do sertanismo indigenista no Brasil

Buriti Comunicação

Imprimir Enviar para um amigo
Organizado pelo jornalista e cientista social Felipe Milanez, Memórias Sertanistas: cem anos de indigenismo no Brasil traz depoimentos de 12 personagens singulares do sertanismo brasileiro

“Se a diversidade da história dos índios no Brasil permanece ignorada pela maior parte da população, o mesmo acontece com a trajetória dos sertanistas que lutaram em sua defesa. (...) A publicação deste livro tem o intuito de difundir as memórias sertanistas, ciente de que as culturas dos povos indígenas, somadas à mestiçagem, tornaram-se pilares da sociedade brasileira e como tal devem ser preservadas.”

Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo

No dia 17 de setembro, às 19h, na Livraria da Vila (Lorena), as Edições Sesc São Paulo promovem o lançamento de Memórias sertanistas: cem anos de indigenismo no Brasil. Surgido no bojo de seminário homônimo realizado em 2010 no Teatro Sesc Anchieta, o livro publicado no ano em que o sertanista Marechal Rondon completaria 150 anos tem organização do jornalista Felipe Milanez e narra as experiências de importantes sertanistas brasileiros, apresentando como principal ponto de reflexão a luta pela sobrevivência física e espiritual de povos que ainda não foram engolidos pela atual engrenagem de consumo desenfreado, de voracidade tecnocrática e de destruição da natureza.

Com prefácio assinado pela antropóloga Betty Mindlin, a obra conta com depoimentos dos sertanistas Afonso Alves da Cruz, Altair Algayer, Fiorello Parise, Jair Condor, José Carlos Meirelles, José Porfírio, Marcelo dos Santos, Odenir Pinto, Sydney Possuelo, Wellington Figueiredo, além dos representantes indígenas Afukaka Kuikuro e Paulo Supretaprã Xavante.

“Cada depoimento parece um conto ou romance, obra de escritor. Ninguém o escreveu, creio – são orais, de expressão elaborada, fluentes. Alguns entrevistados escrevem muito bem, há até um romancista de alta qualidade entre eles. Deveriam continuar por escrito suas narrativas, em publicações futuras; certamente têm diários, cartas. Acumularam memória de décadas de experiências e de um Brasil que ninguém conhece. Falam tão bem, no entanto, que sua fala é semelhante a um livro – a exemplo dos índios, cujas narrativas fluem prontas para os ouvintes, em múltiplas línguas, sem computadores ou plumas. Ou é a arte de Felipe que soube transcriar (para usar o vocabulário da história oral) e ser fiel ao que ouviu e gravou? Tudo isso misturado, provavelmente.”.

Betty Mindlin - antropóloga

A prática sertanista para a defesa dos povos indígenas é relativamente recente. Oposto ao sertanismo de bandeira, que, entre outros objetivos, visava à conquista de riquezas, o sertanismo indigenista tem como objetivo principal garantir a sobrevivência de povos indígenas, e teve início com a atuação de Marechal Rondon. Oriundos de diferentes regiões do país, os sertanistas vivenciaram um período marcado pela expansão econômica para o oeste e pelo processo de criação de meios para proteger os povos indígenas, cabendo a eles a difícil tarefa de proteger os índios do próprio Estado para o qual trabalhavam e da sociedade que representavam.

Dividido em cinco partes, o livro delineia um abrangente painel sobre o sertanismo no contexto das questões indígenas. A parte inicial apresenta a história do sertanismo brasileiro, desde os primeiros sertanistas até a recente criação do Departamento de Índios Isolados e as Frentes de Proteção Etnoambiental. A segunda etapa trata da resistência às políticas institucionais adotadas pelos sucessivos governos militares (entre 1964 e 1985) e da criação da Funai – Fundação Nacional do Índio, em 1967. Em seguida, os líderes indígenas Afukaka Kuikuro e Paulo Supretaprã analisam a convivência com a cultura dos warazu (invasores). Relatos memorialísticos de dez sertanistas que, atuando em diferentes lugares do país, compartilham suas experiências e trajetórias marcadas por profundo engajamento na defesa dos direitos dos índios são destacados na quarta parte da publicação. Na quinta e última parte, Felipe Milanez aborda o futuro da tradição sertanista, demonstrando que o destino está nas mãos dos próprios indígenas, e que quanto mais eles conseguirem apoio de gente como os sertanistas, melhores chances terão de enfrentar as ameaças, reafirmar sua identidade e lutar por autonomia.

FICHA TÉCNICA:
Memórias sertanistas: cem anos de indigenismo no Brasil
Edições Sesc São Paulo
ISBN: 978-85-7995-177-0
Páginas: 424 p.
Formato: 19 x 25 cm
Preço: R$ 70,00
As publicações das Edições Sesc São Paulo podem ser adquiridas em todas as unidades Sesc SP (capital e interior), nas principais livrarias e também pelo portal www.sescsp.org.br/livraria

SERVIÇO:
Lançamento do livro Memórias sertanistas: cem anos de indigenismo no Brasil
Data: 17 de setembro de 2015, quinta-feira, às 19h. Bate-papo com o organizador do livro Felipe Milanez, a antropóloga Betty Mindlin e convidados, seguido de sessão de autógrafos.
Local: Livraria da Vila (Lorena)
Alameda Lorena, 1731 – Jardim Paulista.

SOBRE O ORGANIZADOR
Felipe Milanez é cientista social, pesquisador em ecologia política no Centro de Estudos Sociais, laboratório associado da Universidade de Coimbra (Portugal), integra o European Network of Political Ecology (Entitle). Foi pesquisador visitante na Universidade de Manchester (Inglaterra), e no Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém. É formado em direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e mestre em Ciência Política pela Universidade de Toulouse (França).

Como jornalista, foi editor das revistas Brasil Indígena e National Geographic Brasil, e colaborador de diversas publicações, como Carta Capital, Rolling Stone, Trip, Go Outside, das americanas Vice, Indian Country Today; do jornal francês Courrier International; e da revista peruana Etiqueta Negra. Dirigiu o documentário Toxic Amazônia em parceria com o canal Vice. Foi nomeado pela Organização das Nações Unidas Herói da Floresta da América Latina, no âmbito do Ano Internacional das Florestas (2011).

SOBRE AS EDIÇÕES SESC SÃO PAULO

Segmento editorial do Sesc, as Edições Sesc São Paulo têm o intuito de expandir o campo de ação da instituição, atendendo a um público cada vez maior. Seu catálogo abrange diversas áreas do conhecimento, com ênfase em artes e ciências humanas, tendo a programação artístico-cultural e educativa do Sesc como uma das principais fontes de conteúdos da editora.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet