Notícias / Meio Ambiente

19/03/18 às 20:22

Indústria química reduz consumo de água em 25%

Marquezan Araújo

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Indústria química reduz consumo de água em 25%

Foto: Assessoria

O setor industrial se mostra cada vez mais participativo na economia nacional. Após uma queda na produção em 2016, o segmento registrou uma elevação de 2,5% no índice no ano passado. Além disso, projeções da Confederação Nacional da Indústria (CNI) apontam previsão de aumento de 3% do PIB industrial em 2018.

Para manter essas atividades, porém, o setor precisa utilizar bastante água. De acordo com Agência Nacional de Águas (ANA), a indústria de transformação, por exemplo, é o terceiro segmento que mais utiliza o recuso, ficando atrás da agricultura irrigada e do abastecimento urbano.

No entanto, o coordenador da Comissão de Meio Ambiente da Associação Brasileira da Indústria Química (Abequim), Mauro Machado Júnior, afirma que, ao longo do tempo, o setor tem se preocupado cada vez mais com a economia da água e a preservação da natureza. Ele explica que práticas adotadas dentro da própria associação são exemplos do uso consciente do recurso no setor produtivo.

“Nós temos um indicador específico, que é a quantidade de água consumida pela quantidade de produto produzido. Se nós compararmos os números de 2006 para 2016, nós conseguimos uma redução de 25% nesse consumo. Isso significa que, para produzir, hoje, uma tonelada de produto, eu consumo 25% a menos de água do que eu consumia em 2006”, disse Machado Júnior.

Uma das instituições que defende o uso racional da água é a The NatureConservancy (TNC), organização internacional, especializada na conservação da biodiversidade e do meio ambiente. O gerente de água da ONG, Samuel Barreto, afirma que nenhum setor precisa ser privado da utilização da água. Na avaliação do especialista, equilíbrio é a palavra-chave para atender demandas sem desperdiçar esse bem tão escasso.

“Tem um campo de melhoria para todos, desde a indústria, a agricultura e o uso doméstico. É possível melhorar o padrão de uso racional para todas essas áreas. A questão não é não usar, mas é usar de forma inteligente, é usar de forma racional. Investindo em conhecimento, investindo em tecnologia, investindo na redução de perdas e trazendo para essa equação de segurança hídrica”, destaca Barreto.

Além do manejo econômico da água, a Associação Brasileira da Indústria Química estima que entre 2006 e 2015 houve redução de 31% na geração de efluentes, nome dado aos resíduos descartados pela indústria. Segundo a associação, os fatores que contribuíram para isso foram a redução de vazamentos e as melhorias nos ciclos de lavagem dos equipamentos e segregação de descartes.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

New Deal no Brasil

Bairro simples da periferia. O cheiro de café ainda estava pela cozinha e transpunha a sala com móveis simples, um sofá velho e uma antiga televisão que tinha em cima dela algumas xícaras, daquelas que têm o...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet