Notícias / Agronegócios

02/03/18 às 12:01

Brasil deve repetir safra passada de soja e algodão; preocupação está com o milho

7º Encontro de Previsão da Safra ANEC/ANEA, foi realizado na tarde desta quinta-feira (1), em Cuiabá.

Assessoria ZF PRESS

com redação Água Boa News

Imprimir Enviar para um amigo
Brasil deve repetir safra passada de soja e algodão; preocupação está com o milho

Foto: Marcos Negrini/ ZFPress

Fator Argentina, demanda do mercado externo e investimentos em tecnologia fazem com que as previsões para as safras de soja e algodão brasileiras 2017/2018 sejam positivas. A preocupação fica por conta da safra do milho.

Estas são as considerações feitas pelo CEO da Agroconsult, André Pessôa, durante o 7º Encontro de Previsão da Safra ANEC/ANEA, realizado na tarde desta quinta-feira (1), em Cuiabá (MT).

“Há uma previsão de redução da safra de soja na Argentina – em torno de 50 milhões de toneladas. Isso eleva a procura pela soja brasileira”, disse Pessôa referindo-se ao fator Argentina. Paralelo a este fator, a produção brasileira deve manter-se nos mesmos patamares do ciclo 2016/2017, com uma tendência leve de crescimento.

“Pelos dados previamente coletados no Rally da Safra [evento promovido pela Agroconsult], o país deve chegar a 117,5 milhões de toneladas da oleaginosa e a 32 milhões  em Mato Grosso – no estado, a produtividade media deve chegar a 56 sacas por hectare, contra as 55,5 da safra passada”, aponta o especialista.  

Já a preocupação com a safra do milho se deve ao atraso na colheita da soja que antecede o cereal. “As chuvas tardias atrasaram o plantio do milho e nem todos os produtores conseguiram plantar o milho na janela ideal. E o milho plantado a partir de março corre mais riscos de faltar chuva”, falou Pessoa.

Com isso, o produtor pisa no freio e investe menos em insumos e nível tecnológico, o que aponta para uma produtividade menor. “Mas no ano passado, a produção foi recorde”, pondera o CEO da Agroconsult, ao considerar uma redução de cerca de 2 a 3% da área plantada, chegando a 25 milhões de toneladas. A produção 2016/2017 foi de 29 milhões de toneladas.

Para o algodão, a previsão é de recorde no Estado de Mato Grosso, mas não no Brasil. “O país já plantou 1, 450 milhão de tonelada na safra de 2010/2011 – quando bateu o recorde – e este ano deve plantar 1,330 milhão de tonelada. Percebemos um crescimento da recuperação na área de algodão devido à rentabilidade”, afirma Pessôa ao apontar bons preços conquistados no mercado internacional.

“Os produtores mudaram pacotes de tecnologias produtividades e houve um crescimento de 20% da safra 2016/2017 comparada à safra anterior. Já para a safra 2017/2018, o cenário positivo deve permanecer, boa parte do que está sendo plantado agora já foi vendido a bons preços. E se a produtividade se repetir haverá novo impulso e ampliará a área. Se a tendência continuar em dois ou três anos, repetiremos a safra recorde de 2010/2011”, pontua.

Ao destacar o estado no qual foi realizado o evento e que possui a alcunha de “Celeiro do País, Pessôa disse que Mato Grosso tem um diferencial: “antes o algodão era de verão, ou seja, competia com a soja. Agora passou a ser preponderantemente da safrinha. E mais de 90% da produção estão competindo com o milho, que está com a margem de rentabilidade muito  apertada – tanto que no Estado, o algodão está batendo novo recorde devido a melhor rentabilidade e a uma concorrência enfraquecida do milho”, analisa.

7º ENCONTRO - O evento, uma parceria entre a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC) e a Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (ANEA), foi realizado pela primeira vez em Mato Grosso. Cerca de 300 pessoas entre produtores, autoridades, representantes de entidades ligadas ao agronegócio e universitários prestigiaram o evento.

O presidente da ANEC, Luís Barbieri, destacou Cuiabá como a Capital do centro nervoso da produção de soja e grãos no Brasil, e que irá seguir crescendo nos próximos anos. “Esta relevância do Estado nos trouxe a Cuiabá. Estamos à disposição das associações sociais e dos produtores do Estado para estudar a melhor forma de fazer com que este desenvolvimento continue acontecendo com toda a excelência que vem sendo feita até agora”.

A ANEC prevê que das 117,5 milhões de toneladas de soja colhidas este ano, certa de 70 milhões de toneladas sejam exportadas.

A opinião foi compartilhada pelo presidente da ANEA, Henrique Snitcovski, que está otimista com a previsão da safra do algodão e a participação mato-grossense na produção nacional. “Na nossa visão, o ano será bom para a exportação. A safra 2017 foi de 1,6 milhão de tonelada e exportou 50% dessa produção. Para de 2018, esta estimativa é de 1,8 milhão e a exportação deve atingir pelo menos 50% da safra”, acredita.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

Vinho chileno com sabor de rebeldia

Já fui melhor nisso. Uns dez anos atrás, eu era um apreciador de vinhos. Na época, isso era uma espécie de moda, e, de todos os vinhos, o que eu menos apreciava era o chileno. Talvez em razão do meu paladar mais...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet