Notícias / Água Boa

16/02/18 às 10:18

A marca do gado

Maurício Tonhá, da Estância Bahia, montou uma das leiloeiras que hoje está entre as maiores do País

Vera Ondei, Dinheiro Rural

Edição AguaBoaNews, Clodoeste Pereira 'Kassu'

Imprimir Enviar para um amigo
A marca do gado

Negócio na medida : Maurício Tonhá diz que os leilões rurais precisam ter liquidez e atratividade para o pecuarista

Foto: Rodrigo Paiva/RPCI/Ag. ISTOE

Leilões

No dia 22 de abril do ano passado, o leiloeiro Maurício Tonhá, dono da Estância Bahia, leiloeira de Água Boa, correu de um lado para o outro o dia todo, recebendo produtores e compradores de gado em seu recinto de leilões. Desde 2001, essa é uma das datas mais importantes de sua agenda. Tonhá estava envolvido em mais um Mega Leilão, evento criado por ele para comemorar, na época, os 10 anos de sua empresa e que ele decidiu repetir daí para a frente. Em abril, aconteceu o Mega Leilão 10.017, em uma referência ao ano e à quantidade de animais à venda. Os números são sempre superlativos nesses momentos. Na primeira edição, a ideia era vender 10.001 animais, mas a conta foi de 12.861. Em 2012, por exemplo, foram 40.941 animais.

Desde que foi criada, a grife Mega Leilões já fez a intermediação de cerca um milhão de bovinos comerciais, entre bezerros e gado magro. “Na pecuária, é preciso foco na produção, sem diminuir a produtividade”, afirma Tonhá. Mas o trabalho do empresário não acontece somente nesse dia. A Estância Bahia promove, por ano, cerca de 150 leilões regulares para vender gado geral e de seleção. Somente de touros, a média das últimas safras tem sido de 10 mil animais por ciclo. Pela sua trajetória no setor, Maurício Tonhá é o homenageado como personalidade na categoria Leilões no prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL 2017. O empresário, que se dedica aos leilões de gado desde 1991, é hoje dono de uma das maiores empresas do País.

A estimativa do Sindicato Nacional dos Leiloeiros Rurais é a de que 120 leiloeiras atuam no País. Para Nilson Genovezzi, presidente da entidade e leiloeiro há 35 anos, o setor tem desafios nos dias atuais, porque a tecnologia online, em sites e até em ferramentas como o WhatsApp, estão levando a uma informalização na realização de eventos. “Essas ferramentas são uma realidade”, afirma Genovesi. ”Mas leilão precisa de credibilidade e de ética, elementos que dão segurança ao produtor rural”.

Para Tonhá, os desafios do setor não são pequenos. Além de questões de modelo, esse é um universo atrelado à saúde financeira do País. Para que esse círculo não se rompa, a rentabilidade precisa ocorrer para toda a cadeia pecuária e os leilões rurais são parte dela. “O pecuarista, dentro do seu negócio, precisa manter o foco na produção, adequando custos, sem diminuir a produtividade”, afirma Tonhá. “Nós, como empresas leiloeiras, precisamos viabilizar eventos que tenham liquidez, atratividade e rentabilidade para o pecuarista.”
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Virginia Mendes

O amor de mãe

Antes mesmo que eu recebesse a benção de ser mãe de três filhos eu ouvia outras mães e até mesmo a minha mãe me falando que o amor de mãe é algo sem medidas. Hoje posso afirmar e garantir...

 
 
 
 
Sitevip Internet