Notícias / Justiça

02/07/15 às 12:09

Homem que matou funcionário da FUNAI é condenado a mais de 27 anos de reclusão por latrocínio em Canarana

Assessoria TJ/MT

Imprimir Enviar para um amigo
O réu João Batista Alves dos Santos foi condenado a mais de 27 anos de reclusão pelo crime de latrocínio (roubo seguido de morte) no Município de Canarana, ocorrido em 24 de março de 2014. A ação penal foi proposta pelo Ministério Público, que atribuiu ao réu a morte violenta e subtração de bens da vítima, Claudio Quoos Conte, funcionário público da Fundação Nacional do Índio (Funai). A sentença foi proferida pelo juiz Alexandre Meinberg Ceroy.
 
O caso teve grande repercussão na cidade, já que a vítima era bastante conhecida e também por seu corpo ter sido descoberto por seus colegas de serviço ao desconfiarem de sua falta na data do crime. A identificação da autoria somente foi possível por meio de interceptações telefônicas autorizadas judicialmente, as quais demonstraram que o acusado foi com o carro da vítima e sua carteira para outro Estado logo após o evento.
 
De acordo com a sentença, o crime ocorreu na residência da vítima e, conforme uma das testemunhas do caso, Valdivino Vital Amordivino, foi percebida a ausência de alguns pertences junto ao corpo de Claudio Conte, como carteira de documentos, celular e o veículo do mesmo. O réu, em depoimento, alegou legítima defesa, justificando que havia matado a vítima para se proteger, já que havia sido agarrado por trás.
 
Entretanto, em perícia foi refutada essa alegação, já que não houve luta corporal entre vítima e acusado, apontando que a vítima, morta com uma facada no pescoço, estava de costas para o agressor, não podendo se defender. O réu negou o roubo dos pertences da vítima, pois os mesmos estariam dentro do veículo e ele teria pegado o carro de Claudio apenas para se ausentar do local.
 
Segundo a sentença, “outro elemento que corrobora a intenção apropriativa do acusado é o fato de que ele se desfez do veículo da vítima somente após tomar conhecimento, pela imprensa, que o corpo daquela teria sido encontrado. Assim, vê-se claramente que, se não fosse tal situação, o acusado teria mantido-se na posse dos bens. Chama a atenção também o fato de que o chip do aparelho de telefone celular da vítima foi encontrado jogado no quarto, de onde se infere que o agente perpetrador do delito o retirou do aparelho celular subtraído justamente para evitar eventual rastreio. Tal situação também evidencia a intenção de assenhoramento dos bens subtraídos”.
 
O réu não terá o direito de recorrer em liberdade. Confira AQUI a sentença na íntegra
 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Gilberto Figueiredo

Oficialização de Pazuello em Ministério garante continuidade de ações na Saúde

Foi com satisfação que recebi a notícia da permanência e oficialização de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde. O gestor, que antes atuava como interino, assumiu oficialmente a pasta na...

 
 
 
 
Sitevip Internet