Notícias / Barra do Garças

09/11/17 às 20:16 / Atualizada: 10/11/17 às 09:49

Venda de pequi em Barra do Garças vira caso de polícia

Houve confronto corporal entre policiais e comerciantes após fiscalização municipal apreender mercadorias (veja vídeo no final). Ação fiscalizadora de comércio ambulante deve continuar.

Kayc Alves

Semana 7

Imprimir Enviar para um amigo
Venda de pequi em Barra do Garças vira caso de polícia

Momento em que a PM prende vendendo ambulante em Barra do Garças. Veja vídeo no final da matéria.

Foto: Semana 7

Uma ação da fiscalização municipal acompanhada pela Polícia Militar, acabou em confusão, na tarde de quarta-feira (8). Os fiscais da Prefeitura de Barra do Garças apreendiam pequis em uma banca de venda ambulante, em frente à agência do Banco do Brasil, quando houve confronto corporal entre policiais e comerciantes. A família dos dois microempresários presos afirma sofrer perseguição por parte dos fiscais.

O vídeo da ação da fiscalização da Prefeitura de Barra do Garças, com o acompanhamento da Vigilância Sanitária e o apoio da Polícia Militar de Mato Grosso (PM-MT), viralizou na internet e tem gerado revolta da população. As imagens mostram um confronto físico entre agentes da PM com os proprietários de comércio alimentício, Higor Ramalho de Souza e Eric Ramalho de Souza. A polícia afirma em nota que houve agressão por parte dos irmãos, que chegaram ao local quando os fiscais já faziam a apreensão.

Mas a ação fiscalizadora começou antes do ocorrido nas proximidades da Praça dos Garimpeiros. A equipe da Prefeitura chegou no estabelecimento fixo dos comerciantes, nas proximidades do supermercado Cogal, acompanhada de uma viatura da PM e dois carros da Vigilância Sanitária, segundo Auana Alves, esposa de Higor.

Auana relata que, sem qualquer aviso, os fiscais foram recolhendo as verduras, legumes e frutas, dispostas nas bancas sobre a calçada, em frente à residência de um dos proprietários. A fiscalização do Plano Diretor do Município, de responsabilidade do fiscal João Vieira, não quis atender o Semana7 para esclarecer o motivo da ação.

Auana e Sara Cândida de Andrade, esposa de Eric, não souberam explicar a razão da apreensão das mercadorias. Elas conversavam com funcionários da Vigilância, enquanto os fiscais agiam, e ouviram alegações como obstrução da calçada, a falta de notas fiscais dos pequis, e a ausência de licença ambiental.

Segundo elas, todas os produtos possuem notas, com exceção do pequi, que é colhido na propriedade de um familiar.

A Vigilância Sanitária também não quis dar entrevista, mas informa que esteve apenas acompanhando a ação, porque os produtos seriam doados à Apae. A entidade também afirma que eles estavam em bom estado para serem consumidos. Ainda segundo a Vigilância, os proprietários do estabelecimento não têm a licença sanitária para comercializar as mercadorias, porém a operação não teve motivos sanitários.

A nota emitida pela Prefeitura aponta que a ação foi motivada pelo uso irregular dos passeios e praças públicas. A família dos comerciantes rebate a acusação, dizendo que nenhuma calçada foi obstruída. Com os dois pais de família presos, as esposas lançam dúvida sobre o que tenha gerado as apreensões.

Segundo Sara, a família respeita as normas determinadas pelo município, ao deixar 1,90 metros de calçada livres de obstáculos. Os comerciantes alegam também perseguição por parte da fiscalização, que não apreendeu outras bancas de produtos alimentícios. A 10 metros do estabelecimento de Higor e Eric, funciona outra banca de alimentos, que não sofreu ação dos fiscais.

“Agora nós queremos eles soltos, porque eles não são bandidos. São apenas trabalhadores, que têm família para sustentar”, afirma Sara, mãe de dois filhos. Auana também tem dois filhos e está grávida de mais um.

A confusão em frente a agência do Banco do Brasil começou com a chegada de Higor e Eric na banca móvel de um dos funcionários que trabalha para a família. Segundo Sara, informados de que as mercadorias seriam doadas para a Apae, os dois haviam ido até o local tentar provar que os produtos tinham sido pagos e estavam regulares. Ao retornarem para casa, eles passaram pela banca e resolveram parar para averiguar o que estava acontecendo.

A polícia alega que os microempresários agrediram policiais e fiscais. Após dar voz de prisão aos dois, houve o confronto corporal, que deixou acusados e alguns PMs com lesões. Os dois foram autuados por resistência à prisão dos suspeitos, lesão corporal, desobediência, resistência e outros crimes.

O advogado dos acusados Walter George afirmou na tarde de hoje, em uma publicação na rede social Facebook, que os dois foram agredidos covardemente também ao chegar na delegacia. Segundo ele, o Higor chegou a ficar desacordado devido às agressões dos agentes da PM.

Determinação do Ministério Público
Em nota, a Prefeitura afirma que a ação fiscalizadora seguiu uma determinação do Ministério Público de Mato Grosso (MP-MT), em Barra do Garças. Ela cita a ação do MP, que exige do Poder Municipal a coibição de utilização irregular dos passeios, praças e demais logradouros públicos, “seja por comerciantes, ambulantes, vendedores, ou qualquer particular.”

Dessa forma, é possível que os fiscais atuem em outros casos de comercialização de produtos nas calçadas, em Barra do Garças. Segundo uma funcionária da Vigilância Sanitária, a fiscalização municipal vai continuar inibindo esse tipo de comércio.

A administração municipal começa a onda de fiscalização nos passeios públicos após, há quase um ano e meio atrás, ignorar a determinação do MP sobre a utilização irregular dos passeios.

Em junho de 2016, a Justiça acatou o pedido do Ministério Público de cobrar uma multa de R$ 2,6 milhões ao município e ao prefeito, por não cumprimento da orientação do MP, que, na época, já havia virado Lei Complementar Municipal. O montante era resultado do acúmulo de multas diárias no valor de R$ 5 mil, por 531 dias.

Na nota emitida pela administração, o prefeito Roberto Farias (PMDB) afirma que formará uma comissão para acompanhar a situação dos vendedores ambulantes e buscar uma solução para que eles não sejam prejudicados.

“É preciso fazer cumprir a lei, porém em um momento de crise que o País atravessa, a maior de sua história, é necessário usar o bom, senso pois o desemprego é muito grande e muitas pessoas tem buscado fontes alternativas para o seu sustento e de sua família”, destaca um trecho do informe.


 
POLÍCIA MILITAR 5° COMANDO REGIONAL BARRA DO GARÇAS
 
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO - NOTA DE ESCLARECIMENTO À IMPRENSA E À SOCIEDADE
 
          Em atenção à imprensa e à sociedade, em virtude de vídeos e informações sobre fatos ocorridos no dia 08/11/2017 descritos no Boletim de Ocorrência de nº 2017.370857, que versa sobre a atuação da Polícia Militar de Barra do Garças frente a situação vem a público esclarecer que:
 
1) Em cumprimento de determinação de Sentença Judicial do Juiz da 3° Vara Cível, no processo de número 9156-37.811.0004, código 156880, na qual o município de Barra do Garças-MT figurava como réu tendo sido determinado na sentença que o município de Barra do Garças-MT estará sujeito a sanções caso não tomasse as medidas necessárias para coibir a obstrução do passeio nas calçadas da cidade, principalmente por vendedores ambulantes;
 
2) A guarnição da área central foi solicitada pela fiscalização da Prefeitura Municipal de Barra do Garças-MT, na pessoa do fiscal João Vieira e do 2° SGT PM Flávio em apoio a fiscalização de vendedores em situação irregular quanto a condições de comércio de alimentos e outros, bem como desobstrução de calçada devido as diversas reclamações recebidas acerca de comerciantes que ficavam vendendo produtos de forma irregular nas calçadas;
 
3) Na última parte da fiscalização transcorreu na Praça dos Garimpeiros, localizado em frente ao Banco do Brasil, sendo que o material irregular foi apreendido e foram feitas as notificações cabíveis, ou seja, até aquele momento não houve qualquer tipo de alteração, sendo que quando as equipes da fiscalização e da Polícia Militar se retiravam o suspeito Higor Ramalho de Souza, de 24 anos, desferiu um tapa no rosto do fiscal Ramón sem qualquer discussão ou aviso prévio.
 
4) Foi dada voz de prisão ao suspeito Higor que juntamente com seu irmão Eric Ramalho de Souza, de 22 anos, passou a agredir a guarnição da Polícia Militar, com socos e pontapés, vindo a causar escoriações nos policiais militares, momento em que o suspeito Eric puxou a arma de um policial militar, não conseguindo tomar a arma e desferir disparos por motivo alheio a sua vontade, chegando a quebrar o coldre do militar. Momento em que foi solicitado apoio das demais viaturas, encontrando os suspeitos mais exaltados com o fato, resistindo fisicamente a todas as guarnições que tentavam deter os suspeitos e imobilizá-los, sendo que necessário uso de força para conter os suspeitos que estavam totalmente descontrolados e não se acalmaram nem mesmo quando eram colocados no compartimento traseiro da viatura.
 
5) Os suspeitos foram detidos e encaminhados para Central de Atendimento da Polícia Militar, anexo a Delegacia Regional de Polícia Judiciária Civil de Barra do Garças, apresentaram no local advogados para acompanhar os suspeitos. Suspeitos se encontravam com encontram-se com lesões, provenientes da luta corporal que travaram com a guarnição, bem como foi feito uso moderado de força através de imobilização e uso de espargidor e ainda, ambos foram algemados por terem resistido ativamente à prisão e tentado contra a vida dos policiais militares durante a ocorrência. Sendo devidamente confeccionado o Auto de Resistência à Prisão dos suspeitos, por lesão corporal, desobediência, resistência e outros crimes, conforme Boletim de Ocorrência nº 2017.370857. 
 
6) Os policiais militares envolvidos diretamente na ocorrência também ficaram com lesões provenientes das agressões dos suspeitos Higor e Eric, além do fiscal que recebeu um tapa no rosto do suspeito Higor.
 
7) O comando do 5º Comando Regional ainda informa que apesar de se tratar de um fato isolado que só desenrolou com prisão dos suspeitos que agrediram fisicamente o fiscal bem como os policiais militares, a Polícia Militar se fez e se fará presente no acompanhamento de fiscalização da Prefeitura para resguardar a integridade física dos mesmos e de todos os envolvidos no momento de sua atuação.
 
Barra do Garças, 09 de Novembro de 2017.
 
 
Izac Omar Prado de Souza – Ten Cel PM
Comandante do 5º Comando Regional

 
Imprimir Enviar para um amigo

Vídeo Relacionado

comentar1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por Marta Elisa, em 10/11/17 às 10:32

    É uma vergonha este pais, e não é só na Barra, no meu municipio também é assim, A crise do jeito que tá, as pessoas que tem emprego fixo, estão com dificuldades, imagina esses pessoas mais humilde financeiramente, não podem trabalhar honestamente para o sustento de sua família, no que vai virar essa nossa sociedade? Os ladrões de colarinho branco, estão por aí, dando golpe e soltos.

 
 

veja maisArtigos

Marcelo Duarte

Ferrovia como fator de competitividade

Cadeias produtivas dos mais diversos setores precisam operar sistemas logísticos eficientes para competir no mercado global e nacional. Na maioria das vezes, a disponibilização da infraestrutura de transportes, papel do Estado...

 
 
 
 
Sitevip Internet