Notícias / Negócios

06/11/17 às 10:56

Quando sucessão familiar e protagonismo feminino caminham juntos

Lívia Pulchério

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Quando sucessão familiar e protagonismo feminino caminham juntos

Thamy Daltro e Kennedy

Foto: Assessoria

A sucessão familiar é um dos desafios de muitos empresários, de todos os portes e segmentos. Dados do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) mostram que menos de um terço das empresas sobrevivem quando passam para o comando da segunda geração, e apenas 5% se mantém ativa na terceira geração. Isso em um cenário em que 90% dos empreendimentos no Brasil têm origem familiar. E quando se trata de sucessão de pai para filha, o desafio pode parecer ainda maior. 

Não para todos. O empresário Domingos Kennedy Garcia Sales, de 53 anos, e sua filha Thamy Daltro, de 27, mostram que a sucessão familiar e o protagonismo feminino podem caminhar lado a lado. Ele é diretor-Geral do Grupo Max, cujo core business é a Preformax, indústria de embalagens plásticas, com mais de 500 funcionários, uma planta no Recife (PE) e outra em Pedro Juan Caballero, no Paraguai.  
 
Thamy está sendo preparada para assumir uma posição de liderança dentro da empresa. Com 18 anos, por vontade própria, ela começou a trabalhar com o pai. "Thamy, você não aguenta uma semana de trabalho, mas vou te dar essa chance”, Sales lançou o desafio.
 
Desafio aceito. Durante os três primeiros anos, a jovem passou por todas as áreas da empresa, para entender os processos e vantagens competitivas. Hoje, nove anos depois, ela é gerente de Vendas e, junto com sua equipe, conseguiu elevar o faturamento médio de R$ 500 mil para R$ 2,5 milhões nos últimos seis meses, na região de São Paulo e Rio de Janeiro.
 
Controle de rastreio de caminhões e estoques, comunicação direta com o cliente e relatórios de gestão também estão entre os resultados alcançados por Thamy, que se formou em Administração e possui MBA em Gestão Estratégica de Negócios.
 
Ela já provou que tem jeito para o negócio e sabe que herdou isso do pai. Já na vida pessoal, houve momentos de insegurança. “Aos 25 anos, tive dúvidas e até me afastei da empresa por um ano. Como iria construir uma família com um cargo com tantas responsabilidades? Mas resolvi abraçar o que eu amo e confiar que tudo pode ser ajustado e realizado”, confessou.
 
Pai e filha conciliam o relacionamento familiar com as exigências profissionais. “Dei a oportunidade e ela a agarrou. Estamos acompanhando os resultados. Entre os cargos de liderança, ela é a primeira mulher dentro da nossa empresa e confesso que estou aprendendo muito, ainda
​ mais​ sendo minha filha”, relata o pai e chefe.
 
Planos para o futuro
 
A Preformax está em ritmo forte de crescimento. Em 2003, quando foi fundada, a indústria consumia 200 toneladas de resina, matéria-prima para a produção das garrafas pets. No último ano, o acumulado atingiu 35.600 toneladas. Atualmente, é uma das maiores empresas do país em industrialização de preformas pet e atende grandes clientes do mercado nacional.
 
Até 2019, a empresa pretende aumentar o portfólio de produtos, reabrir uma planta de reciclagem de pets, investir em energia renovável e ampliar a atuação para a América do Sul. Por isso, Thamy está
​ ​batalhando para, em breve, estar preparada para assumir estrategicamente o cargo de diretora de Operações e Comercial.
 
“Minha missão clara é elevar a Preformax a um outro patamar, torná-la ​a melhor empresa do setor no Brasil e, quem sabe, na América do Sul, em qualidade, eficiência, rentabilidade e atendimento”, finaliza Thamy.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

Vinho chileno com sabor de rebeldia

Já fui melhor nisso. Uns dez anos atrás, eu era um apreciador de vinhos. Na época, isso era uma espécie de moda, e, de todos os vinhos, o que eu menos apreciava era o chileno. Talvez em razão do meu paladar mais...

 
 
 
 
Sitevip Internet