Notícias / Policial

10/10/17 às 06:25 / Atualizada: 10/10/17 às 06:32

Polícia civil vai apurar denúncia de fraude em concurso para delegado

Karine Miranda, Gazeta

Edição AguaBoaNews, Clodoeste 'Kassu'

Imprimir Enviar para um amigo
Polícia civil vai apurar denúncia de fraude em concurso para delegado

Foto: Divulgação

A Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), da Polícia Civil, vai apurar as denúncias de fraude e falhas na aplicação da prova escritas objetivas e dissertativas da primeira fase do concurso para delegado substituto, realizado no domingo (8).

O concurso foi conduzido pelo Cebraspe - Cespe/UnB e teve mais de 13 mil inscritos para o cargo, cujo salário inicial de R$ 19 mil. No entanto, ainda durante sua realização, os candidatos denunciaram irregularidades na aplicação das provas.

Uma das denúncias era de que falhas teriam sido cometidas na abertura dos envelopes com as provas, que estariam sem o devido lacre. Além disso, fotos da folha de resposta feitas ainda no tempo regulamentar da prova vazaram nas redes sociais. O uso de dispositivos eletrônicos era, por edital, terminantemente proibido.

 
De acordo com informações da Polícia Civil, a comissão do concurso apreendeu dois envelopes plásticos, que continham as provas, e vai enviá-los à Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) a fim de esclarecer se houve rompimento do lacre.

Já quanto às imagens das folhas de respostas que circularam nas redes sociais, o GCCO informou que, em tese, não configuram crime, por não haver conteúdo sigiloso, já que não eram as provas.
No entanto, o candidato assim que identificado poderá ser desclassificado por usar celulares ou smartphones dentro das salas, desobedecendo a regras do edital.

Veja a íntegra da nota:

A Diretoria da Polícia Judiciária Civil determinou apuração referente alguns questionamentos levantados durante a aplicação das provas objetiva e dissertativa do concurso público para Delegado Substituto, ocorrido neste domingo (08.10). A apuração será realizada pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

A Comissão do Concurso apreendeu dois envelopes plásticos, que continham provas, e os entregou ao GCCO para envio à Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), visando esclarecer se houve rompimento.

O Cebraspe informou que os envelopes de prova são confeccionados em material plástico e, no momento que são lacrados, podem ocorrer leves rugas devido à cola utilizada. O malote de provas, que carrega os envelopes até as salas de aulas, permaneceu com seu lacre de aço intacto até o momento da abertura frente aos candidatos.

Quanto às imagens da folha de resposta e folha com instruções para a prova dissertativa, que circularam nas redes sociais, o GCCO informou que, em tese, não configuram crime, por não haver conteúdo sigiloso, já que não eram as provas. No entanto, o candidato poderá ser desclassificado por usar celulares ou smartphones dentro das salas, desobedecendo a regras do edital.

Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Eduardo Gomes de Andrade

De mundo melhor

Manso, o fogo sapecava as cascas das árvores tortas do cerrado mato-grossense e engolia o capim nativo. No processo natural ambiental, em poucos dias o verde espalhava-se pelo chão no renovado capim e subia ao topo das lixeiras e das...

 
 
 
 
Sitevip Internet