Notícias / Educação

22/09/17 às 07:02

Mudanças no ensino médio devem ampliar acesso à educação técnica e profissional

Jalila Arabi e Gabriella Bontempo, Rádio Mais

Edição AguaBoaNews, Clodoeste Pereira 'Kassu'

Imprimir Enviar para um amigo
O novo ensino médio vai trazer benefícios para o estudante que quer cursar a educação técnica e profissional no país. A proposta, sancionada em fevereiro, flexibiliza a grade e reduz a carga horária que o aluno precisa cumprir para conseguir o diploma. Hoje, além das 2,4 mil horas do ensino médio, o estudante da educação técnica e profissional deve completar mais 1,2 mil horas do curso escolhido.
 
Se essas mudanças já valessem em 2012, ano que o técnico em Eletrotécnica, William Santos, de 22 anos, frequentava o ensino médio, ele teria tido mais tempo para se dedicar às aulas e às atividades propostas pelos professores. “O meu curso teve a duração de dois anos e contava com aulas práticas, teóricas, além de visitas às indústrias e postos de trabalho. Se eu tivesse mais tempo para estudar, com certeza sairia do curso mais capacitado, mais profissional”, afirmou.
 
Com os diplomas do ensino médio e do curso técnico em mãos, não demorou muito tempo para que ele conseguisse o primeiro emprego. “Eu já saí do curso profissionalizante com inúmeras possibilidades no mercado de trabalho. É bastante interessante essa junção entre o ensino médio e a qualificação profissional, porque ajuda os jovens a decidirem melhor o futuro”, lembrou William.
 
Mercado promissor
 
Segundo a Pesquisa de Acompanhamentos de Egressos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, o Senai, seis em cada dez ex-alunos de cursos técnicos formados em 2015 já estavam empregados em 2016, mesmo em meio à crise econômica. Para o deputado Alex Manente (PPS/SP), que participa das discussões sobre o assunto no Congresso Nacional, o que precisa ser estabelecido no país é uma visão de ensino voltada à educação profissional. “A qualificação específica, direcionada ainda no ensino médio, permite aos jovens que não terão acesso à universidade, ingressarem, com qualidade, no mercado de trabalho”, acredita ele. “Esse público, sem dúvida alguma, ainda é um percentual significativo em nossa sociedade. A educação técnica e profissional é muito útil para nós retomarmos o desenvolvimento, a geração de empregos e, consequentemente, possibilitar o acesso dos jovens ao ensino superior”, ressalta.
 
Saiba mais
 
A reforma do ensino médio foi sancionada neste ano, mas para valer, é necessário que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que está sendo discutida em todo o país, seja elaborada e homologada ainda em 2017.
 
A BNCC é um conjunto de orientações que deverá nortear os currículos das escolas das redes públicas e privadas de todo o país. O objetivo dela é aumentar a qualidade da educação básica brasileira, respeitando a autonomia assegurada pela Constituição Federal aos entes federados e às escolas. Para mais informações, consulte o site: http://basenacionalcomum.mec.gov.br
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Não temos para onde fugir

            Neste momento de dificuldade que estamos todos passando e que o maior atingido na insegurança é o rico, pois que este além de sentir o pavor eminente da tristeza...

 
 
 
 
Sitevip Internet