Notícias / Cultura

24/08/15 às 10:29

Exposição do patrimônio mato-grossense passará por Brasília

Assessoria/UFMT

Imprimir Enviar para um amigo
A partir do dia 25 de agosto Brasília receberá a Exposição Itinerante do Patrimônio Imaterial Mato-grossense (Expoimat) na Casa da Cultura da América Latina (CAL), importante espaço cultural da Universidade de Brasília/Decanato de Extensão (UnB/DEX). Esta ação faz parte das comemorações dos 45 anos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e é  um intercâmbio entre as universidades do Centro-Oeste. A Expoimat é um Projeto de Extensão Ação Afirmativa da Pró-Reitoria de Cultura, Extensão e Vivência (Procev-Codex). O acervo, curadoria, apoio técnico e expográfico são do Museu Rondon de Etnologia e Arqueologia da UFMT. A equipe executora é do Departamento de História/Etrúria - Laboratório de Estudos da Memória, Patrimônio e Ensino de História. 

Esta exposição proporciona ao público a oportunidade de observar uma amostra dos principais bens culturais de Mato Grosso, representativos da diversidade e do patrimônio cultural do estado, que se materializam nos artefatos da cultura material de etnias indígenas como as bonecas de cerâmica Karajá Ritxoko, - saber já registrado como patrimônio cultural do Brasil, além da rede de dormir Kura Bakairi, cestos Nambijkuara e outros.

Os visitantes poderão conhecer peças raras indígenas e o destaque nesta nova montagem é o Paríko, da etnia Bororo, que possui um grande significado cultural para o povo bororo e está presente nos seus rituais. Vale ressaltar o ritual Yaokwa, dos Enawene-Nawe, celebração registrada como Patrimônio do Brasil em 2010.
                                  
Estão em evidência significativos bens expressivos das comunidades tradicionais ribeirinhas pantaneiras como de São Gonçalo e Limpo Grande; e ainda de grupos quilombolas como de Vila Bela da Santíssima Trindade, que tem na Festança um exemplar admirável da cultura afro-mato-grossense. Desse modo, a exposição apresenta um conjunto de imagens representativas das expressões culturais imateriais (saberes, danças, rituais, celebrações, lugares), a partir das lentes de dois importantes fotógrafos do nosso estado: Mario Friedlander e Laercio Miranda.
 
A Expoimat foi montada a partir do inventário do patrimônio imaterial como apoio do Iphan e teve sua primeira edição em 2011 no Museu de Arte e de Cultura Popular da UFMT (Macp). Desde então, tem circulado por diversos lugares dentro e fora do estado como Rondonópolis, Barra do Garças, Cáceres, Vila Bela da Santíssima Trindade, Goiânia (GO), Corumbá (MS) e Brasília (DF), além do Museu do Morro da Caixa d’Água Velha em 2014.
                                                         
A professora do Departamento de História/Etruria da UFMT, Thereza Martha Presotti, coordenadora e uma das curadoras da Expoimat, conta com apoio de 4 bolsistas discentes do ICHS: Alexandre Arruda Peixoto, Eric Kamikiawa Kura Bakairi, José Antonio Parava Chiquitano e Natalia Ramires. Além da montagem da exposição, o evento oferece a Oficina de Educação Patrimonial para os guias que irão monitorar a mostra, subsidiando a aplicação da Lei 11.645 que indica que se ensine a história e cultura indígena e afro-brasileira nas escolas.
                       
A abertura acontece às 19h no dia 25, com a presença da reitora da UFMT, Maria Lúcia Cavalli Neder e do pró-reitor Fabricio Carvalho e do músico, professor e pesquisador Habel dy Anjos, do Departamento de Música da UFMT, importante estudioso da viola de cocho que irá tocar este instrumento musical, ícone cultural do Pantanal de MT e MS (a ela estão associadas as formas de expressão do siriri e cururu) e que, neste ano, comemora seus 10 anos de Registro como Patrimônio Cultural do Brasil.                                 

 
  • Exposição do patrimônio mato-grossense passará por Brasília
  • Exposição do patrimônio mato-grossense passará por Brasília
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

As mulheres da minha vida

Thomires era o nome da minha avó paterna.  Descendente de franceses, tinha a pele muito alva e os olhos azuis claros, que lembravam o mar. O louro esbranquiçado do seu cabelo remetia-me aos das minhas bonecas. Adorava admirar o...

 
 
 
 
Sitevip Internet