Notícias / Policial

12/09/17 às 15:46

Cuiabá - Delegacia do Consumidor apreende 500 pares de tênis de marcas falsificadas

Assessoria Polícia Civil

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Cuiabá - Delegacia do Consumidor apreende 500 pares de tênis de marcas falsificadas

Foto: Polícia Civil

O comércio de tênis de marcas falsificadas foi alvo de uma fiscalização da Delegacia Especializada do Consumidor, em parceria com o Procon Municipal, nesta terça-feira (12.09). A loja Atacadão do Tênis, no bairro CPA 2, recebeu a visita dos policiais e fiscais por vender produtos considerados pirateados.

No estabelecimento, os policiais recolheram 500 pares de tênis de marcas mundialmente conhecidas como: Nike (150 pares), Adidas (150 pares),  Asics (50 tênis),  Mizuno (50 tênis), Puma (50 tênis), e New Balance (50 tênis), todos considerados produtos ilegais (piratas) por não terem sido importados pelo fabricante ou autorizados a sua venda. Os produtos também estão sem nota fiscal.

Um caminhão Baú da Diretoria de Execuções Estratégicas (DEE) foi usado para transportar a mercadoria que ficará guardada em depósito, até emissão de laudo pericial confirmado a falsificação dos produtos. Posteriormente, serão destruídos com autorização da Justiça. Os policiais da Diretoria de Execução Estratégica também deram apoio a ação. 

Tênis da marcas Adidas e Nike, de alto valor no mercado quando originais, eram comercializados, dois pares pelo preço de R$ 100, conforme cartaz afixado na loja, que também mantém um volume grande de mercadorias, aparentemente falsificadas, em seu estoque.

A gerente e dois funcionários da loja foram conduzidos à Decon para prestarem  declarações sobre a origem dos produtos. O proprietário do estabelecimento está em viagem e será intimado para comparecer na Delegacia, quanto retornar a Cuiabá.

O delegado da Decon, Antonio Carlos de Araújo, informou que será instaurado inquérito policial diante da constatação realizada nesta terça-feira. “O combate a pirataria é um trabalho que envolve vários órgãos, como a própria Federação do Comércio, para reprimir o comércio clandestino da venda de produtos ilegais”, disse.

O proprietário responderá pelos crimes previstos no artigo 190, inciso I da Lei 9279/96, Código de Propriedade Industrial; com pena de detenção de 3 meses a 1 ano; artigo 7º Inciso II e VII, da Lei 8.137/90, Lei Contra as Relações e Consumo, com pena de detenção de 2 a 5 anos ou multa; e artigos 175, inciso I,  e 180 do Código Penal Brasileiro.

 

 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Marcelo Duarte

Ferrovia como fator de competitividade

Cadeias produtivas dos mais diversos setores precisam operar sistemas logísticos eficientes para competir no mercado global e nacional. Na maioria das vezes, a disponibilização da infraestrutura de transportes, papel do Estado...

 
 
 
 
Sitevip Internet