Notícias / Meio Ambiente

01/07/15 às 15:52 / Atualizada: 01/07/15 às 15:59

“O Araguaia agoniza quanto à proteção de seus recursos ecológicos”, alerta advogado agroambiental

Vinícius Braga

em colaboração com Água Boa News

Imprimir Enviar para um amigo
Para muitos, mês de julho é sinônimo de Araguaia. Nesta época de férias, turistas de todo o país aproveitam as praias de água doce formadas no rio, já que neste período o nível está mais baixo e permite a formação de acampamentos em Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins e Pará. O advogado agroambiental Marcelo Feitosa destaca que, além de ser lembrado como opção de lazer nas férias, o Araguaia é um dos maiores patrimônios ambientais do Estado, mas alerta: “O rio agoniza em relação à proteção de seus recursos ecológicos”. 
 
Segundo Feitosa, o Araguaia sofreu profundas degradações nos últimos anos em razão de interferências ocasionadas pelo homem e pela ausência de efetiva fiscalização ambiental por parte do Estado.  Ele acrescenta que a alteração mais fácil de se constatar é a diminuição significativa da ictiofauna (conjunto das espécies de peixes). 
 
“Em virtude da baixa presença do Poder Público para fazer a sua vigilância, o número de espécies de peixes tem reduzido expressivamente. A pesca indiscriminada, inclusive dentro de áreas terminantemente proibidas, é um exemplo de destruição ecológica do rio. Além disso, vale frisar que o aumento da quantidade de espécies de botos tem ocasionado um forte impacto no seu equilíbrio ambiental”, explica. 

Penalidades
 
Para o advogado, para reverter este quadro, é preciso adotar medidas pontuais de proibição completa da pesca esportiva por um período de cinco anos. Marcelo Feitosa ainda reforça que a agricultura e a pecuária podem ser prejudiciais à conservação ambiental da biodiversidade da região do rio. Diante disso, destaca a importância de se utilizar a tecnologia, por meio da captação de imagens pelo Estado, para aplicação de penalidades administrativas e das medidas punitivas judiciais. 
 
“Fato incontroverso que o Araguaia de hoje já não é mais o mesmo de 10 ou até mesmo 15 anos atrás. Deveria ser o contrário, pois se houvesse educação ambiental e acompanhamento efetivo dos órgãos públicos, caminharíamos para uma realidade bastante distinta. O rio agoniza, mas o que me acalma é que ainda há tempo para se reverter este quadro. Depende de esforços coletivos e de muita vontade política”, arremata Feitosa.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - 'Pessoas de lua'

Quantas vezes nos deparamos com pessoas que podem ser colegas de trabalho ou até parentes e residentes na mesma morada que dizem: “hoje eu não estou nos meus dias”; “hoje não estou...

 

Enquete

Quem você gostaria que fosse o próximo presidente do Brasil

 
 
 
Sitevip Internet