Notícias / Barra do Garças

30/07/17 às 17:25 / Atualizada: 30/07/17 às 17:49

Produtor resiste a plantar árvores

Cristiane Barbieri e Gabriela Biló, O Estado de S. Paulo

Edição para ÁguaBoaNews, Clodoeste Kassu

Imprimir Enviar para um amigo
Produtor resiste a plantar árvores

Em plena seca do cerrado, gado busca folhas de acácia

Foto: Gabriela Biló|Estadão

A ideia de cultivar acácias pela madeira e para recuperar o solo, substituída pelo projeto de produzir mel com a chegada das abelhas, em pouco tempo ganhou uma função adicional. Enquanto as árvores cresciam na Fazenda Paraná, na Serra do Roncador, a 800 metros de altitude, vacas e bezerros começaram a ganhar peso mais rápido.

“Com as acácias, o capim voltou mais bonito e regenerado”, diz Roberto Libera, diretor da Fazenda Paraná. “As acácias, por sua vez, cresceram mais fortes com a adubação do gado.”

No fim de julho, em plena seca no cerrado, as reses avançavam sobre as folhas mais baixas das acácias, altamente proteicas e as únicas plantas verdes em todo o pasto.

Não é à toa que Libera pretende fazer com que os 2 mil hectares plantados hoje, se transformem em 20 mil hectares no longo prazo. “Nosso conceito de fazenda mudou”, diz ele. “Hoje, queremos preservar o máximo possível e estimular a biodiversidade.”

É exatamente esse um dos ganhos percebidos com a integração lavoura-pecuária-floresta: um sistema de produção leva a ganhos do outro, que são sentidos na ponta do lápis. Segundo pesquisas da Embrapa, num consórcio no qual se intercalem grãos ou braquiária com gado, o ganho de peso médio dos animais é de 800 gramas por dia. Já o produtor de grãos pode obter de 6 a 12 sacas a mais de soja por hectare.

Os exemplos são vistos em todo o País. Numa propriedade acompanhada pela Embrapa, no Rio Grande do Sul, a rotação de gado com grãos (e suplementos alimentares) fez com que a média de produção de leite chegasse a 23 litros por vaca a cada dia, numa região cuja média de produção é de 11 litros. Em outra, na qual o cultivo de arroz foi intercalado com a criação de gado, os animais que antes eram vendidos entre 24 e 36 meses, atingiram o peso ideal entre 18 e 24 meses.

Com resultados tão sensíveis, 83% dos produtores que aderiram ao sistema integram só a pecuária com a lavoura. “Há muita resistência dos pecuaristas e produtores de grãos a incluir árvores na equação”, diz Lourival Vilela, pesquisador da Embrapa. Isso porque a floresta atrapalha as colheitadeiras de grãos.

“O gado só vê sombra na hora que vai ao abatedouro”, diz. “Só que deixá-lo sob o sol é mais ou menos como condenar alguém a almoçar sob calor de 40 graus: sem conseguir comer, o ganho de peso é pequeno.” As informações do Estado de São Paulo.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Pandemia com clausura

Quando chegamos ao Planeta Terra encontramos dificuldades no convívio com pessoas que vamos encontrando pelo caminho. Interessante que não adianta nos mudarmos de bairro, cidade e até de estado, que vamos nos deparar com...

 
 
 
 
Sitevip Internet