Notícias / Aventuras

27/06/17 às 11:58

Amazônia de MT - Estrangeiros e passarinheiros são principais turistas da região Norte

Governo iniciou a atualização de regiões turísticas do estado para incentivar novos visitantes

Débora Siqueira | Gcom-MT

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Amazônia de MT - Estrangeiros e passarinheiros são principais turistas da região Norte

Foto: Chico Valdiner/Gcom-MT

Um dos biomas menos explorado e menos conhecido pelos próprios mato-grossenses é a Amazônia. Com fauna e flora riquíssima, os hotéis de selva na região Norte de Mato Grosso ainda têm foco na pescaria e são pouco voltados para o ecoturismo. Em Alta Floresta (800 km ao Norte de Cuiabá), uma exceção é o Cristalino Jungle Lodge, que atrai muitos estrangeiros, mas também passarinheiros de todo o Brasil que buscam registrar o maior número de aves diferentes. O local abriga mais de 600 espécies de pássaros e também é considerado um dos 25 melhores Eco Lodge do mundo.

Na corrida pelo topo do ranking do Wiki Aves, a enciclopédia de aves do Brasil, eles se aventuram numa torre de observação de 50 metros de altura e sobem os 264 degraus, acima da copa das árvores. Ao esperar o registro de uma espécie ainda não fotografada, o turista aprecia a imponência da floresta amazônica.

Em quarto lugar no Wiki Aves, o médico ortopedista Marco Guedes diz que o mais divertido é estar na floresta. Ele mora na capital paulista e, sempre que pode, escapa para observar aves. “A sensação é muita boa em estar aqui. Quando a gente entra no barco para cruzar o Teles Pires e entrar no Cristalino, a gente deixa muita coisa para traz e vê muita coisa que está à frente que não se tem na cidade grande. Costumo dizer que as aves são apenas desculpas para ir para floresta e a floresta, para quem é da terra, é apaixonante. A energia é boa ao abraçar as árvores”.

 
Enildo Souza/Gcom-MT

Ele faz parte de um grupo de 40% de brasileiros que frequentam o Cristalino Lodge Jungle e explica uma das razões de os estrangeiros conhecerem mais a floresta do que os próprios mato-grossenses. “Acho que a observação de aves e da natureza tem a ver com a cultura do povo. O brasileiro ainda está na direção do campo para a cidade. Contudo, a convivência plena com a natureza desperta algo ancestral na gente que está adormecido na cidade. Respirar e sentir a vibração da floresta é uma experiência que só quem vive sabe como é”.

Para fomentar o turismo em todas as regiões do estado, não apenas no circuito mais conhecido como Pantanal e Chapada dos Guimarães, a Secretaria Adjunta de Turismo de Mato Grosso iniciou um trabalho de atualização de 16 regiões turísticas com oferta principal, complementar e de apoio, em um mapa turístico. Uma delas é a Amazônia Mato-grossense, cuja oferta principal é Alta Floresta, Paranaíta com oferta complementar e Nova Bandeirantes e Nova Monte Verde como oferta de apoio.

“Trabalhamos a proximidade, similaridade, a cultura e economia da região. Alta Floresta tem a floresta, uma boa estrutura hoteleira, bons restaurantes, hotéis de selva e de pescaria e, Paranaíta, por exemplo, tem um sítio arqueológico que atrai ufólogos devido ao grande painel de pictogravuras em uma pedra preta”, ressalta o secretário-adjunto de Turismo, Luis Carlos Nigro.

 
Enildo Souza/Gcom-MT

Essas ofertas são apresentadas em feiras internacionais, onde o Instituto Brasileiro do Turismo (Embratur) oferece aos estados área para exposição e estande e as Secretarias de Estado de Turismo, em contrapartida, disponibiliza o servidor para fazer a exposição, diária e passagem para mantê-lo. Este ano, a Secretaria Adjunta de Turismo já apresentou Mato Grosso na WTM Latin America, uma feira mundial realizada em São Paulo, em Londres e em Santa Catarina. 

“Temos uma potência verde em Alta Floresta. Queremos não só aumentar a vinda de estrangeiros para o estado, mas trabalhar o turismo nacional. Este é um dos focos da secretaria para que possamos trazer o brasileiro para conhecer, por exemplo, a nossa floresta”, comenta Nigro.

Conforto em meio ao mato

O Cristalino Lodge Jungle está construído entre o Parque do Cristalino, área da Força Aérea Brasileira e uma Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) de Vitória da Riva, filha do fundador de Alta Floresta, Ariosto da Riva.



Enildo Souza/Gcom-MT

Na década de 70, ela adquiriu fazendas em torno do Parque do Cristalino e no início da década de 90 começou a receber os primeiros turistas no hotel de selva idealizado por ela dentro da RPPN.

“São em torno de 100 mil hectares de floresta, onde é proibido pescar, pois se trata de um santuário das espécies, onde o homem é apenas um observador, um contemplador das belezas da floresta”, explica o proprietário, Alexandre da Riva. 
  


Enildo Souza/Gcom-MT

Como chegar e quanto custa

Há voos diários de Cuiabá para Alta Floresta pela companhia Azul Linhas Aéreas com saída às 12h35 da Capital e retorno às 14h15. A viagem dura cerca de uma hora. De carro, são 622 km pela BR-163 até Nova Santa Helena e mais 178 km pela MT-320. O trajeto é realizado de 9 a 10 horas de viagem.

Para se hospedar no Cristalino Lodge Jungle, a empresa faz o transfer da cidade de Alta Floresta até a beira do rio Teles Pires. O trajeto leva em torno de uma hora e somente carros autorizados podem entrar na RPPN.

O barco leva o visitante pelo Rio Teles Pires e, ao cruzar com o rio Cristalino, percebe-se no tato a diferença de temperatura e também na coloração. Por ser mais preservado, com solo de granito arenoso, o Cristalino é três graus mais frio que o Teles Pires, e possui água mais ácida e escura. De barco, até chegar no píer do hotel, o percurso leva meia hora.

 
Enildo Souza/Gcom-MT

O hotel funciona no sistema all inclusive, exceto bebidas alcoólicas. São três refeições, passeios com guia e os passeios de barco, 16 trilhas e a observação das aves. Os pacotes variam de R$ 1.080 (standard) a R$ 1.560 (bangalô especial). Os valores são por pessoa em quarto duplo. Além disso, há uma taxa de preservação de R$ 220 por pessoa.


Enildo Souza/Gcom-MT
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

Considerações sobre o eclipse solar parcial de 2 de julho

Só por curiosidade, estou enviando a figura que fornece/forneceu  a informação COMPLETA sobre o eclipse solar de 2 de julho último. Acima, à esquerda há um marcador com o sinal + que aumenta o mapa...

 

Enquete

Você é a favor ou contra a greve dos professores de MT

 
 
 
Sitevip Internet