Artigos / Aurélio Mendanha

07/05/20 às 11:21 / Atualizado: 07/05/20 às 11:38

TROCARAM SEIS POR MEIA DÚZIA: ALVARÁ POR TAXA FISCALIZAÇÃO

Imprimir Enviar para um amigo

Foto: AguaBoaNews

Comerciantes de Água Boa foram surpreendidos nos últimos dias pelo recebimento de um boleto emitido pela prefeitura do município exigindo o pagamento da Taxa de fiscalização.

O que causou espanto e estranheza foi que muitos dos comerciantes, acreditaram que após a aplicação da Lei nº 13.874/19, conhecida como Lei da Liberdade Econômica, não teriam que pagar nenhum imposto, tributação ou valor a prefeitura relacionados a alvará.

Conforme artigo primeiro, §6º que assegurado o desenvolvimento da atividade econômica de baixo risco sem a necessidade de alvará, autorização, licença, inscrição ou qualquer outra condição que seja estabelecida pela administração pública.

Porém, para surpresa e indignação dos comerciantes, a prefeitura sabidamente e sem empatia com o pequeno empresário pelas redução no faturamento motivados pelo isolamento social do vírus covid 19, recorreu ao ordenamento jurídico a fim de justificar de forma legal a continuidade da cobrança de valores decorrentes das atividades econômicas alterando a espécie de tributo, de acordo com o art. 145, item II da Constituição Federal de 1988 que trouxe expressamente a possibilidade de serem instituídas taxas, em razão do exercício do poder de polícia.

Essas taxas decorrem da necessidade do Poder Público de fiscalizar e controlar os interesses individuais, em razão do interesse coletivo. Deste modo, onde se lia nos boletos passados emitidos pela prefeitura o nome licença ou alvará de funcionamento hoje se lê taxa de fiscalização.

Contudo, a uma luz no final do túnel, pois no mesmo ordenamento jurídico que permitiu a cobrança pela atividade econômica das empresas mudando a nomenclatura ou a forma de tributar, permite o comerciante poder questionar e recorrer da cobrança, uma vez que as taxas de polícia só podem ser instituídas se realmente ocorrer o exercício efetivo da fiscalização, ou seja, se houver a visita de um fiscal ou agente no local da empresa ou comércio. O entendimento se dá pelo posicionamento do Supremo Tribunal Federal, que estabelece que o exercício do poder de polícia de cobrar taxa de fiscalização, em alguns casos, só tem sua legalidade quando o ente instituidor possuir uma estrutura de fiscalização de vidamente instalada.

Este humilde artigo e um entendimento pessoal de um admirador do mundo jurídico e das leis.
Aurélio Mendanha

Aurélio Mendanha

Aurélio Mendanha da Silva  – Mestrando em Sociologia – UFMT(2019); Pós Graduado em Gestão Segurança Pública- IPDH (2018); Pós Graduação em Gestão Pública-UNOPAR (2017); Pós Graduando em Gestão de pessoas – Faculdade Católica de Anápolis (2012); Graduado em Administração – Faculdades Alfredo Nasser (2009); Técnico em Segurança do Trabalho – SENAC (2010); Servidor da Policial Judiciaria Civil em MT – foi professor nas Áreas de Administração e Segurança do Trabalho no SENAC e SEBRAE – GO.
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - 'Pessoas de lua'

Quantas vezes nos deparamos com pessoas que podem ser colegas de trabalho ou até parentes e residentes na mesma morada que dizem: “hoje eu não estou nos meus dias”; “hoje não estou...

 

Enquete

Quem você gostaria que fosse o próximo presidente do Brasil

 
 
 
Sitevip Internet