Artigos / Telma Cenira Couto da Silva

30/09/19 às 18:50

As mulheres da minha vida

Imprimir Enviar para um amigo
Thomires era o nome da minha avó paterna.  Descendente de franceses, tinha a pele muito alva e os olhos azuis claros, que lembravam o mar. O louro esbranquiçado do seu cabelo remetia-me aos das minhas bonecas. Adorava admirar o seu cabelo liso preso num coque quando a visitava. Abnegação a definia. Quando idosa levou um tombo, quebrou o quadril e nunca mais andou. Não reclamava de nada. Tinha sempre um sorriso nos lábios e muito carinho ao me receber. Um dia soube que a televisão iria chegar em Cuiabá. Ficou animadíssima com a novidade. Todavia, contaram-me que um dia antes da inauguração da televisão, ela amanheceu cega por causa da diabete. Não reclamou. Nem disso e nem das vicissitudes da vida. Deve ter ensinado ao meu pai a grande lição que ele me ensinou: “em qualquer situação, tem que tocar a vida para a frente”. Para mim, resiliência é a palavra que a define.

Minha avó materna chamava-se Francisca, mas era conhecida como Chiquita. Herdou dos seus ancestrais o sangue baiano apimentado. Era uma mulher forte e destemida, que enfrentava as dificuldades da vida de cabeça erguida. Recordo-me de um fato que ocorreu quando eu era adolescente. Ao ver-me triste e acabrunhada pela casa, ela disse-me assim: “levante a cabeça, menina, quem a magoou não merece ver a sua tristeza”. Sábia vovó Chiquita. Foram muitos os ensinamentos que aprendi com a sua simplicidade. Uma mulher forte e íntegra é a imagem que trago na memória.

Mamãe e a sua fé. Caseira, preferia estar no aconchego do lar. Às festas ia para acompanhar o meu pai, que era o oposto. Mamãe rezava muito, em casa.  Meu pai, que era extremamente brincalhão, costumava dizer: “Lenir deve rezar mais do que padre”. No final da tarde era a hora dela rezar as suas novenas. Nesse horário não gostava de ser interrompida. Ninguém podia falar com ela.  Quando a minha filha entrou em idade escolar a sua reza ficou ainda mais duradoura. Quando sabia que ela ia fazer provas no colégio, acordava de madrugada para rezar pelo seu sucesso. Papai não perdia a oportunidade e dizia: “Se depender da reza de Lenir, Tayane não precisa estudar”. Eu e meu pai divertíamos com essa história e, confesso, debochávamos um pouco da situação. Quando papai reclamava, ela dizia: “estou rezando por todos desta casa”. Mamãe partiu e com ela foram-se as suas rezas. Um dia, cansada e preocupada com tanta coisa para resolver, eu finalmente dei o meu braço a torcer e, falando internamente com ela, lhe disse: “Queria ter um pouco da sua fé. Gostaria que ainda estivesse por aqui; estou precisando muito de suas orações.” Queria sentir-me protegida e, não havia notado o quanto contar com a reza da minha mãe me deixava mais forte. Lutava sempre, por tudo que acreditava, e não desistia nunca. E ai de quem lhe dissesse que ela não iria conseguir o que almejava. O exemplo que a minha mãe me deixou é de fé e persistência. Herdei a persistência, mas não muito da sua fé.

Duas tias muito queridas, uma materna, e a outra, paterna, receberam o nome de Ana Maria. Ambas foram professoras, ficaram solteiras e eram extremamente dedicadas à família. A materna, Ana Maria do Couto era mais conhecida como May. Herdou de vovó Chiquita a força e o sangue guerreiro. Ousadia, coragem, pioneirismo e determinação eram a sua marca. Eu admirava o seu carisma e a considerava uma segunda mãe. Sempre a tive por perto em minhas recordações e coração, apesar dos muitos anos decorridos desde a sua partida.  Como ela, herdei de vovó Chiquita, o sangue apimentado. Já de tia May, o interesse pelos estudos, que me acompanharam durante toda a vida e me levaram ao magistério.

A paterna, Ana Maria da Silva, era conhecida como Nana. Simplicidade, doçura e generosidade a definiam. Ajudou a criar os sobrinhos que, em idade escolar, deixavam as fazendas onde moravam para estudar na capital. Foi a mãe postiça de muitos. Tornou-se uma mãe amorosa da filha que adotou e que para nós é uma prima querida. Tia Nana cuidou da mãe acamada por muitos anos. Antigamente não havia os acessórios modernos, como fraldas descartáveis, e as roupas eram lavadas à mão. Como a mãe, não reclamava de nada. Tinha para si que essa era a sua obrigação por nunca ter casado.  Com os anos aprendi a lhe dar muito valor.  Cuidei da minha mãe por quatro anos, mas, tive à disposição todo o aparato que a vida moderna me permitiu. Mesmo assim não foi fácil. Quando eu me sentia mais fraca tinha tia Nana como exemplo a me inspirar. Grande tia Nana, que, também, jamais será esquecida.

Na hora da maternidade chegou aos meus braços uma filha: a minha adorada Tayane. De mim ela herdou o gosto por livros e um incondicional amor aos familiares mais próximos. Ajudou-me a cuidar da minha mãe, sua avó, com muito carinho, e era só encantamento com o avô enquanto ele viveu. Tentei passar a ela tudo que aprendi com essas mulheres. Tayane é calma como vovó Thomires, íntegra como vovó Chiquita, determinada como a minha mãe e a tia May, generosa e amorosa como tia Nana. Acho que ficou faltando a “pimenta” do sangue de vovó Chiquita, mas talvez o excesso de doçura é o que a faz tão especial.

Mulheres tão diferentes, mulheres da minha vida.
 
PS:  Para Tayane, que é o melhor presente que eu ganhei de Deus.
Telma Cenira Couto da Silva

Telma Cenira Couto da Silva

Telma Cenira Couto da Silva, doutora em Astronomia (IAG – USP) e professora aposentada da UFMT.
 
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Evandro Carlos

Mauro Mendes, seu plano era “iludir”? Que pena, o meu era te fazer feliz!!!

A música Milu, do cantor mineiro Gustavo Lima, é um dos grandes hits da musica nacional da atualidade, nela o interprete conta a historia de alguém que vive iludido, lembrando que quem cai uma vez, cai três, mas que ele...

 
 
 
 
Sitevip Internet