Artigos / Alfredo da Mota Menezes

25/07/19 às 13:40

Acorda Cuiabá

Imprimir Enviar para um amigo
Não acredito que seja construída, ao mesmo tempo, a ferrovia Ferrogrão, entre Sinop e Miritituba, e a extensão da ferrovia Rumo Logística, que está em Rondonópolis, até Sorriso. O ideal seria sair as duas, uma levando e trazendo cargas para Santos, a outra para o sul do Pará.
 
O produtor rural teria opção do menor frete. Estabelecida a competição entre as duas, o consumidor ganharia também. Mas, no Brasil real, alguém acredita que duas ferrovias iriam se digladiar para oferecer frete menor? A tradição é o quase monopólio e o controle do frete. 
 
O nosso capitalismo é diferente de outros. Se não sair as duas, qual sairia? Se sair a Ferrogrão, Cuiabá e região estarão excluídas desse tipo de transporte. Isolado entre a ferrovia até Rondonópolis e a de Sinop para cima. Se isso acontecer, a Baixada Cuiabana, já com problemas de crescimento econômico, vai estagnar mais ainda.
 
“Se não sair as duas, qual sairia? Se sair a Ferrogrão, Cuiabá e região estarão excluídas desse tipo de transporte”
 
Continuaria como centro de prestação de serviços, a agroindústria ficaria no Norte e no Sul ao longo das ferrovias. Também ao longo da ferrovia Campinorte-Água Boa, no Araguaia. Aqui num modorrento caminho para a estagnação. Para Cuiabá e região metropolitana seria útil que a ferrovia descesse a serra, vindo de Rondonópolis. 
 
Com a chegada do gás boliviano direto para a indústria, que deve vir de forma firme e constante, mais a ferrovia, aqui seria outro polo da agroindústria. Impulso enorme ao crescimento econômico. 
 
A Baixada tem um trunfo nesse assunto das ferrovias: carga de retorno. Hoje a Rumo Logística pode trazer até 20 milhões de toneladas de bens para suprir basicamente esta região. Qual seria a carga de retorno da Ferrogrão? Bens de consumo e industrializados de onde? Ou seria mais fertilizantes e pesticidas? Produtos que a outra poderia transportar também. 
 
A Ferrogrão não poderia repetir o que ocorreu com as ferrovias paulistas? Só transportavam café para Santos. Morreram. Soja e milho não serão cargas eternas, como não foi o café em São Paulo. Ninguém pode ser contra a construção da Ferrogrão, o que se argui aqui é que, para o futuro do Vale do Rio Cuiabá, uma ferrovia ajudaria bastante. 
 
Quem sabe até poderia ser uma extensão da própria Ferrogrão na busca de carga de retorno. Ferrogrão e a Rumo estão com pedidos na Antt e no TCU para suas concessões. A Rumo quer extensão da concessão por mais 30 anos do trecho da malha paulista. Se conseguir poderia transportar até 75 milhões de toneladas (hoje é cerca de 35 milhões). 
 
Para ter aquela carga teria que buscar carga além de Rondonópolis. Daí acreditar que iria até Sorriso e região. Se ocorresse, Cuiabá e área não seriam isoladas outra vez, como ocorreu no passado com a ferrovia chegando a Campo Grande. 
 
Será que o governo federal daria a concessão à Ferrogrão e não à extensão da Rumo para cá? O trabalho político da região deve olhar este fundamental aspecto do momento. Mas quem sabe o articulista esteja equivocado e as duas ferrovias saem ao mesmo tempo. Sonhar não custa nada.
 
Alfredo da Mota Menezes

Alfredo da Mota Menezes

 Alfredo da Mota Menezes é analista político
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

As mulheres da minha vida

Thomires era o nome da minha avó paterna.  Descendente de franceses, tinha a pele muito alva e os olhos azuis claros, que lembravam o mar. O louro esbranquiçado do seu cabelo remetia-me aos das minhas bonecas. Adorava admirar o...

 
 
 
 
Sitevip Internet