Artigos / Eduardo Gomes de Andrade

20/09/18 às 19:32

De amanhã

Imprimir Enviar para um amigo
Creio que em tempo de paz nenhum país esteve tão dividido quanto o Brasil, agora. Um fosso bota de um lado a parcela populacional que pede o reordenamento nacional, e de outro, os que se escoram em postulados da suposta liberdade absoluta e querem com ardor o continuísmo do viciado esquema corrupto ora tucano ora petista à espera do momento certo para um bote sobre nossa frágil democracia.

Em tese, essa divisão seria ruim para o Brasil, mas na prática é benéfica. Ela nos retira do conforto da indiferença e nos leva a assumir posicionamento na polarizada disputa nacional. Ao invés de tentar controlá-la, devemos fomentar o embate no campo das ideias, sem que isso se traduza em violência, como aconteceu em Juiz de Fora, onde um bandido esfaqueou o candidato a presidente da República Jair Bolsonaro.

Sei que o quinteto Marina, Haddad, Meirelles, Ciro e Alckmin manobrado por FHC e Lula – esse atrás das grades – ganha apoio popular em nome dos postulados democráticos tão desrespeitados por eles, mas cuja mensagem chega ao eleitor como grito de liberdade. Também sei que Bolsonaro ganhou carisma e conquista apoio do indignado cidadão, que o vê na condição de tábua da salvação.

Independentemente de ideologia e paixão partidária, nenhum brasileiro em sã consciência nega a roubalheira no governo petista e a drenagem de dinheiro público para financiar ditadores pangarés. De igual modo, nem doido bota a mão no fogo pela honestidade do tucanato no poder. Do outro lado, não é possível encontrar, nem com lupa, uma viva alma que reconheça em Bolsonaro a capacidade que se espera de um presidente.

Essa é uma boa briga. Ela nos revela quem mascara o ontem do quinteto em nome da máxima: o fim justifica os meios. Também nos estampa o universo daqueles que engolem o lado xucro de Bolsonaro. Que o desentendimento se agrave entre as partes e seus satélites, mas que não atinja o povo.

Em nome da moralidade na administração pública nacional e em defesa do nacionalismo jamais votaria em alguém do quinteto. Meu voto será por uma causa, uma boa e grande causa maior do que Bolsonaro, que a encabeça: tenho que fazer valer minha cidadania participando do nosso Armagedom tupiniquim junto ao Brasil do bem, antes que o discurso raivoso preparatório para o bote comunista fuja ao controle do suportável e reedite a época em que a esquerda assaltando bancos, sequestrando diplomatas e matando impiedosamente, ia além dos ataques verbais.  

Não busco em Bolsonaro o grande administrador nem o hábil articulador. Porém, tenho certeza que sua força ampliada por um ministério sério seja suficientemente capaz de botar meu país nos trilhos. Pelo Brasil que o discurso do ódio tenta destruir, pelo amanhã de nossos filhos e netos, Capitão neles!
Eduardo Gomes de Andrade

Eduardo Gomes de Andrade

Eduardo Gomes de Andrade – jornalista
.
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

New Deal no Brasil

Bairro simples da periferia. O cheiro de café ainda estava pela cozinha e transpunha a sala com móveis simples, um sofá velho e uma antiga televisão que tinha em cima dela algumas xícaras, daquelas que têm o...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet