Artigos / Eduardo Gomes de Andrade

29/08/18 às 22:10

De alcova

Imprimir Enviar para um amigo
José Maria Alkmin – o Zé Maria - um dos maiores vultos da velha política mineira nos idos do bom e autêntico PSD agoniza no leito da morte, mas mantendo a lucidez. Católico, sua família pede que a igreja lhe dê a extrema-unção. O sacerdote bota uma vela acesa na mão do enfermo, a segura com as duas mãos e reza; ao término da prece lhe pergunta: “Renuncias a satanás?”. Silêncio profundo. O religioso martela com o mesmo questionamento. Zé Maria permanece calado. Ao lado dos dois, Tancredo Neves abraça o padre e baixinho ao seu ouvido, para seu amigo acamado não escutar, diz: “Isso não é pergunta que se faça a político mineiro. A gente não sabe o que vai encontrar do outro lado da vida; por isso, não é bom contrariar ninguém”. 

Claro que o grupo de Zé Maria era especial. Tinha JK, Tancredo, Israel Pinheiro. Esse pessoal deveria ser fonte de inspiração para a classe politica mato-grossense, em especial para Mauro Mendes e Pedro Taques.

De longe acompanho uma campanha cuja formatação mais parece guerra do que disputa eleitoral. Não desejo o falso cavalheirismo entre eles, mas quando nada que tenham postura compatível com o cargo que disputam. Piadinhas, trocadilhos infames, nada disso é palatável nem tragável, principalmente se levarmos em consideração que nos últimos anos os dois repetiram até recentemente no plano político o refrão dos compositores Atílio Versuti e Jeca Mineiro, no clássico Fuscão Preto: “Daí a pouco eu mesmo vi o Fuscão / e os dois juntos se desmanchando de amor”.

O momento exige reflexão. É tempo do confronto de ideias para mostrar ao eleitorado aquilo que o candidato é capaz e o que seu adversário não saberia fazer ou que não fez. Campo pessoal não sobe a palanque. O eleitor, senhor soberano do voto, hoje tem em mãos o passado dos políticos. Ele sabe sobre erros e acertos, sobre licitude e ilicitude, sobre seu envolvimento ou não com os mais diversos crimes que brotam na vida pública. Em campanha manga curta é preciso saber aproveitar o tempo de modo decente, inteligente, convincente e eloquente.

Observando os três candidatos mais cotados ao governo, segundo as pesquisas, avalio que o goiano Mauro Mendes e o cuiabano Pedro Taques falam a língua que o eleitor não quer ouvir. Nesse cenário Wellington Fagundes, rondonopolitano com sangue baiano, mostra-se diferente de seus principais oponentes. Com espírito desarmado e sem olhar pelo retrovisor leva a disputa em alto nível, conscientemente ou não, imitando Zé Maria, pois ninguém tem bola de cristal para saber sobre o amanhã. Com Mauro Mendes e Pedro Taques a ferro e fogo tomo a liberdade até de supor que a guerra entre eles pode ser uma tática de velhos amigos, para que um sobreviva e dê a mão ao outro. Caso minha suposição esteja correta, num eventual segundo turno entre Wellington e um deles não será fácil convencer o eleitorado que os dois reataram o fogo da ardente paixão do tempo do Fuscão Preto que era uma alcova sobre rodas.
Eduardo Gomes de Andrade

Eduardo Gomes de Andrade

Eduardo Gomes de Andrade – jornalista
.
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

New Deal no Brasil

Bairro simples da periferia. O cheiro de café ainda estava pela cozinha e transpunha a sala com móveis simples, um sofá velho e uma antiga televisão que tinha em cima dela algumas xícaras, daquelas que têm o...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet