Artigos / Dr. Orlando Barreto Neto

27/07/18 às 07:53 / Atualizado: 27/07/18 às 07:57

Consulta ginecológica da mulher homossexual: há diferenças?

Imprimir Enviar para um amigo

Foto: Divulgação

Estudos recentes nos mostram que essas pacientes vão menos ao ginecologista.

Diversos motivos são apontados para essa triste realidade: medo de sofrer comentários preconceituosos, receio da reação do ginecologista, achar que não necessitam ir (já que não necessitam de métodos contraceptivos), achar que não necessitam fazer exames preventivos - Papanicolaou (coleta cérvico vaginal), achar que não existe o risco de contrair uma Doença Sexualmente Transmissível em uma relação homo afetiva.

Todas essas crenças contribuem para que muitas mulheres fiquem em situação de vulnerabilidade. Para agravar ainda mais o quadro, muitas vão ao ginecologista e não revelam sua orientação sexual, não tendo, portanto, suas demandas atendidas.

As pacientes homossexuais devem fazer coletas preventivas como as heterossexuais e, caso necessário, a coleta pode ser realizada com espéculo de virgem (e caso não seja possível, cotonete) no caso da mulher ainda ter o hímen íntegro.

Mulheres que fazem sexo com mulheres podem contrair Doenças Sexualmente Transmissíveis, e elas são contraídas mais freqüentemente pelo compartilhamento de objetos sexuais e pelo ato sexual durante o período menstrual.

Casais homossexuais têm direito a informação sobre técnicas disponíveis de reprodução para ter filhos, bem como serem encaminhadas aos serviços especializados em reprodução assistidas. Existem duas formas de reprodução assistida para casais homo afetivos femininos. A inseminação intra-uterina, onde uma das pacientes é submetida a indução da ovulação com medicações e a seguir insemina-se com sêmen de um doador através de um banco de sêmen e a fertilização in-vitro, onde uma delas poderá ter seu óvulo fecundado por espermatozóide doado e ela mesma continuar a gravidez ou o óvulo fecundado pode ser colocado no útero da outra parceira para que assim ocorra a gravidez e as duas tenham participação no processo.

O alcoolismo, depressão, ansiedade, sobre peso e o uso de drogas, afetam esse grupo de pacientes, expostas ao preconceito social, stress e muitas dessas mulheres não têm apoio familiar em relação a sua orientação sexual. Nessas situações, a busca de ajuda médica ou psicológica é de fundamental importância.

Toda paciente, independente de sua orientação sexual precisa de um atendimento digno e livre de preconceitos. Infelizmente, nem sempre essa é a realidade dos profissionais que prestam atendimento médico, por esse motivo, busque sempre profissionais "LGBT friendly".
Dr. Orlando Barreto Neto

Dr. Orlando Barreto Neto

Orlando Barreto Neto é médico obstetra e ginecologista no Paraná (CRM-PR 32.481).
 
Twitter | Facebook | Skype:drorlandobarreto
 
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Sarney

São Luís em Dezembro

O sinos do Natal já podem ser ouvidos nos seus sons distantes Quando eu era menino e começava, em São Bento, a descobrir o mundo com suas belezas, a primeira coisa que me encantava era o campo verde, lindo tapete de capins:...

 
 
 
 
Sitevip Internet