Artigos / Paiva Netto

11/05/17 às 10:01

Exaltar a face cordial da Economia

Imprimir Enviar para um amigo
A sabedoria das mulheres na administração dos bens planetários foi a temática central de meu artigo publicado na BOA VONTADE Mulher, revista especial que a Legião da Boa Vontade (LBV) lançou, nos idiomas português, inglês, francês e espanhol, durante a 61a sessão da Comissão sobre a Situação das Mulheres (CSW, na sigla em inglês), realizada em março deste ano na sede das Nações Unidas. A seguir, transcrevo um trecho do referido texto:
 
Um caminho econômico em que todos saiam ganhando não é pensamento nefelibata. Sempre um bom termo pode surgir quando os indivíduos nele lealmente se empenham. Reflitamos sobre este ilustrativo aforismo do padre português Manuel Bernardes (1644-1710), autor de Pão partido em pequeninos: “Com bom regulamento pode até o pouco bastar para muitos; sem ele, nem a poucos alcança o muito. Todo excesso, nos particulares, causa, no comum, penúria. De dois que estão no mesmo leito, se um puxa muito a coberta para si, é forçoso que o outro fique descoberto”.
De maneira alguma estou propondo que as migalhas que caem das mesas fartas sejam a base da existência dos que vivem na miséria. Não falo de sobras; porém, da consciência honesta que não pode eternamente admitir que o seu bem-estar permaneça estabelecido sobre a fome dos deserdados. Isso é Evangelho puro de Jesus; é a essência da mensagem dos Livros Sagrados e da Regra de Ouro* das mais diversas culturas; é a voz de tantos notáveis, religiosos ou ateus, que não podem conceber que, no terceiro milênio, ainda haja populações submetidas à pobreza num planeta construído pela Bondade de Deus.
Há algo errado com a economia vigente: ao lado de sua face racional, tem de se dispor a cordial, isto é, a inteligência do coração. Em oportunidade não muito distante — esperamos que assim seja —, os corifeus do capitalismo, que sempre se destacaram pelo espírito “pragmático”, irão perceber que a mundialização derrubará todas as espécies de barreiras que lhes serviam de anteparo.
____________________
* Regra de Ouro — Também conhecida como “A ética da reciprocidade” ou “regra áurea”. Trata-se da máxima ou princípio moral de determinada crença ou filosofia, comum a todos as demais: “Fazei aos outros tudo quanto quereis que vos façam”.
Paiva Netto

Paiva Netto

José de Paiva Netto é jornalista, radialista e escritor. Contato: paivanetto@lbv.org.br
Site: www.boavontade.com
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Superiores e inferiores

A autoridade é uma delegação de que terá de prestar contas àquele que se ache dela investido. Não julgueis que lhe seja ela conferida para lhe proporcionar o vão prazer de mandar, nem, conforme o...

 
 
 
 
Sitevip Internet