Artigos / Eduardo Gomes de Andrade

06/01/17 às 08:22

De analogia

Imprimir Enviar para um amigo
Crise não nasceu do povo, mas é ele quem arca com suas consequências. O caos que ronda o Brasil sem excluir Mato Grosso brotou da incompetência política. Portanto, cabe aos políticos o dever de tirar o país da beira do precipício onde se encontra.

O discurso não muda. Ouço políticos no poder falando sobre a crise, botando mais fardos sobre os ombros do cidadão e exigindo que ele se sacrifique ainda mais. Solução eles não apresentam, mea culpa não fazem e não admitem renunciar como forma de atestar que fracassaram.

O ano começa, avança. Hoje é Dia de Reis. Dia dos reis magos Belchior, Baltasar e Gaspar, que visitam o Menino Jesus. Amanhã será quaresma, Carnaval, etc. O tempo é implacável e, se nós nos acomodarmos com o discurso apocalíptico dos governantes perderemos mais um ano. Chega!!!

Eleitor não elege gerente de crise. O voto é a esperança de mudança, é outorga de procuração ao líder político para que ele solucione problemas iguais aos de agora, criados por eles mesmos.

Crise não é somente aquela que os políticos nos apresentam: as despesas engolindo as receitas e causando desequilíbrio fiscal. Crise é também isso, mas sua abrangência é maior. Na quarta-feira desta semana fui a Várzea Grande cobrir a posse de Jayme Campos na recém-criada Secretaria de Assuntos Estratégicos daquele município, que é administrado por sua mulher Lucimar Campos. Naquele ato vi a largada para retirar aquela cidade de uma crise aguda e injustificada que a estrangula há mais de uma década.

Várzea Grande carregava com orgulho, no melhor sentido da palavra, o título de Cidade Industrial. Pouco a pouco ela perdeu aquele status e está a um passo de se tornar um mero dormitório na margem direita do rio que a separa de Cuiabá. A crise na Terra de Couto Magalhães não é financeira, nem passa pelo desequilíbrio fiscal: é o rescaldo do destempero político que dominou sua prefeitura por um bom período e que terminou em maio de 2015.
 
Vi Jayme assumindo o cargo com a missão de sacudir sua Várzea Grande usando a experiência política que carrega de berço e de sua vida pública recheada de mandatos eletivos. Revestido da função de secretário, Jayme abrirá portas em Brasília e Cuiabá com a legitimidade de sua função e a bagagem de quem foi prefeito, governador e senador.

Com Jayme, Várzea Grande encontrou o antídoto contra o veneno da crise. Tenho certeza de que ele desentocará recursos represados, buscará programas e levará para sua terra os investimentos necessários à retomada do desenvolvimento e à reconquista do título de Cidade Industrial. Seria excelente se Pedro Taques trocasse seu chororô por uma solução para a crise. Que tal se, por analogia, ele se inspirasse em Várzea Grande?
Eduardo Gomes de Andrade

Eduardo Gomes de Andrade

Eduardo Gomes de Andrade é jornalista em Mato Grosso, natural de Conselheiro Pena/MG e cidadão mato-grossense concedido pela Assembleia Legislativa de MT. É criador da revista MT AQUI e editor chefe do site MT AQUI Online.
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Eduardo Gomes de Andrade

De metamorfose

Boca da noite. Céu avermelhado. Temperatura caindo. O chapadão treme uivando com a ventania do Cachorro Louco. Um rasgo no cerrado abre passagem aos carros que se aventuram pela BR-364. Ao volante da Toyota Bandeirante tenho os...

 
 
 
 
Sitevip Internet