Artigos / Francielle Fialkoski

27/10/16 às 10:12

Quando um idoso deve usar bengala?

Imprimir Enviar para um amigo
Muitas famílias adquirem uma bengala para oferecer mais segurança para o idoso. Mas é preciso cautela: quando utilizada indevidamente, pode prejudicar o desempenho e aumentar o risco de quedas. (por Francielle Fialkoski*)

O processo de envelhecimento pode ser traduzido em alterações físicas que acabam por comprometer a mobilidade, força muscular e equilíbrio dos idosos. Eles ficam mais instáveis e, muitas famílias, com intuito de oferecer mais segurança para o idoso, adquirem uma bengala por conta própria.

A bengala é um dispositivo auxiliar de marcha que muito contribui para a estabilidade do idoso enquanto caminha ou realiza suas atividades do dia-a-dia. Tem como função ampliar a base de sustentação e fornecer informação tátil ao usuário para que este aumente o equilíbrio. Mas quando utilizada indevidamente, sem ajustes, ou sem um treino adequado, pode prejudicar ainda mais o desempenho do idoso, inclusive aumentar o risco de quedas. O mesmo serve para andadores e muletas.

A bengala só deve ser prescrita para quem apresenta problema de equilíbrio ou instabilidade, fraqueza importante nas pernas ou tronco, lesões ou dor. Para isso é necessária uma avaliação específica, que considere não só a função dos membros inferiores, mas também os aspectos visuais, cognitivos e sensoriais do idoso, tendo em vista os objetivos e queixas funcionais que justifiquem o uso do dispositivo.

Havendo indicação, faz-se necessário realizar os ajustes. A altura correta da bengala é na altura do trocânter maior do fêmur, uma estrutura óssea mais proeminente, palpável, na região lateral do quadril. A mão deve ficar devidamente apoiada no cabo da bengala, com cotovelo dobrado em um ângulo de 30°, permitindo assim a impulsão e a descarga do peso. E, ao contrário do que muitos pensam, utiliza-se a bengala do lado contrário à lesão ou lado mais comprometido.

Outro aspecto fundamental é o treino para uso do dispositivo, que deve ser realizado por um fisioterapeuta. Estima-se que 30 a 50% dos pacientes param de usar seus dispositivos precocemente devido à falta de orientação e acompanhamento. Esse treino irá ensinar o paciente a descarregar ou não o peso sobre a bengala e o momento exato das passadas, ajustando também o balanço do tronco e do braço livre. Uma bengala pode reduzir até 20% do peso corporal sobre o membro, dependendo do seu desenho e do treinamento de marcha.

Tenham cautela ao adquirir uma bengala para um idoso sem a prescrição adequada e acompanhamento. Procure um fisioterapeuta qualificado para avaliar a necessidade, ajustar o dispositivo e orientar o uso correto. As evidências são inquestionáveis.
Francielle Fialkoski

Francielle Fialkoski

Francielle Fialkoski - Fisioterapeuta, Especialista em Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia e Mestre em Saúde Coletiva. Presidente do Departamento de Gerontologia da SBGG-MT e proprietária da Vital Sênior Fisioterapia, parceira do Espaço Più Vita.
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

João Baptista Herkenhoff

Registro nacional de antecedentes criminais

A Gazeta publicou ampla e belíssima reportagem sobre o assassinato da menina Thayná.  Num trecho da matéria lê-se o seguinte:          "Passagens por...

 
 
 
 
Sitevip Internet