Artigos / Gabriel Guidotti

13/09/15 às 22:54 / Atualizado: 13/09/15 às 23:26

A tragédia em imagens

Imprimir Enviar para um amigo
 
Na faculdade, sempre fui ensinado a registrar tudo que for possível em uma cobertura jornalística. É preciso embasar as informações coletadas com fotos, entrevistas e vídeos – para fins de comprovação. Publicar determinados conteúdos, entretanto, exige uma reflexão individual, dos jornalistas, e coletiva, das equipes nas redações. Quem estamos atingindo com a imagem de uma tragédia? É lícito expor a identidade de alguém para prender a audiência?
 
A fotógrafa que fez o último registro de Aylan Kurdi, o menino sírio que faleceu nas praias da Turquia, afirmou, em entrevista, ter ficado “petrificada” com a cena. Mas, como todo bom profissional de comunicação, não deixou o inusitado passar. Ela estava correta em desempenhar seu ofício. O momento era único, marcante. O momento era traumatizante. Suponho que após pensar sobre o caso, a profissional tomou a decisão que lhe parecia adequada: compartilhou a imagem. A tragédia migratória precisava ser vista.
 
Em se tratando de tragédia, o jornalista se coloca, inúmeras vezes, em dilema morais. Os veículos, adotando uma posição ponderada, normalmente não publicam imagens mortuárias. Trata-se de uma forma de autopreservação – jurídica e moral. Mas o óbito do garotinho Aylan guardava outros ingredientes, não apenas o baque de seu corpo abandonado sem vida. Em minha opinião, a foto constitui uma enorme cicatriz na história da humanidade.
 
A imprensa deve replicar a imagem do corpo de um suicida estatelado no chão? Cabe ao jornalista compartilhar registros de fatalidades, como acidentes de carro? Via de regra, não. Nesses casos, a individualidade e o isolamento dos sinistros não justifica a publicação. O menino sírio, por sua vez, é a ponta do iceberg de um problema muito mais latente e inédito, que deflagra uma crise humanitária de proporções dramáticas.
 
A migração de refugiados no Mediterrâneo não é de agora. Entretanto, foi somente após a tragédia de Aylan Kurdi que as pessoas começaram a olhar para o tema com a atenção merecida. Em 2015, morreram centenas de pessoas na travessia. As notícias ocupavam áreas de menos destaque nos veículos de comunicação. Bastou o registro de uma criança morta para o assunto pautar todas as rodas globais. Destarte, o jornalismo tem obrigação de auxiliar para que outros pequenos não sigam o mesmo caminho. Se a artimanha de chocar a audiência garante este fim, que assim seja.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Luiz Tejon Megido

China: consumidores globais, vontades iguais

Todos temos uma ideia aproximada da expansão da China, que cresce, em média, 9,7% ao ano desde 2000. A China tem quase 100 firmas dentre as 500 maiores do mundo, e tem o 2° maior Produto Interno Bruto (PIB) do planeta, em busca...

 
 
 
 
Sitevip Internet