Artigos / Gabriel Guidotti

08/09/15 às 23:43

[OPINIÃO] - Governo de olho no aumento de impostos

Imprimir Enviar para um amigo
 
Contribuir para financiar parte das despesas da administração, a fim de garantir o desenvolvimento do país. Levando a frase ao pé da letra, não há cidadão brasileiro que discorde do pagamento de impostos – federais, estaduais ou municipais. Entretanto, a relação do contribuinte com as cobranças do governo não acontece com tamanha naturalidade. O descompasso entre investimento e reinvestimento gera graves ruídos.
 
É de se supor que o dinheiro dos impostos conste no orçamento dos serviços públicos essenciais: saúde, segurança, educação, etc. Os jornais contradizem essa suposição. Culpa da imprensa? Ela faz seu trabalho. Às vezes sensacionalista, é verdade, mas faz. Cumpre aos veículos de comunicação replicar o caso, por exemplo, de um assaltante que matou um casal de namorados para roubar dois insípidos celulares. Antes do crime, outro crime: não havia escolas na cidade onde o meliante morava. Os impostos para a educação... onde foram parar?
 
Para onde vai meu imposto? Não sei. Pretendo saber. No momento, quero refletir a respeito do custo-benefício oferecido por quem gerencia a minha contribuição e a de meus compatriotas. Olho para o Brasil e vejo mazelas permanentes. Contrastes sociais que segregam as pessoas em vez de equalizá-las. Vejo também muitos problemas de infraestrutura. Pacientes sofrem com a demora no atendimento nas emergências. A segurança pública não garante a integridade do contribuinte. Culpa dos impostos que não chegaram a quem deveriam? Ou foram mal utilizados?
 
Como se não bastasse a indigesta carga tributária do sistema brasileiro, o governo, incitado pelo déficit de R$ 30,5 bilhões previsto para o ano que vem, pretende atestar, novamente, a sua incompetência. O aumento de impostos está na pauta. Nesse momento, a Fazenda decide em qual bolso atacar. O comércio de celulares, tablets e produtos do gênero já está condenado ao açoite. Mas há um rombo bilionário a cobrir em 2016. Qual setor será a próxima vítima?
 
A despeito de querelas sociais, o princípio de contribuir se assenta na busca de um futuro digno, isto é, ajudar a nação a prosperar. Ao governo, cabe transparência e honestidade com dinheiro público, pois somente o trabalhador sabe o custo de seu esforço diário para perseverar. Vamos torcer que essa política de aumento nos tributos seja passageira e dure até o país respirar novamente. Eu ainda acredito no Brasil. Meu imposto, a saber, alimenta a esperança de que, um dia, a situação caótica que vivemos vai ter fim.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet