Artigos / Gabriel Guidotti

06/09/15 às 08:10

O sonho de um país melhor

Imprimir Enviar para um amigo
“Tudo farei para o povo, mas nada pelo povo”. A frase, célebre na história, é atribuída a Dom Pedro I – o homem que justifica a Semana da Pátria – dias antes de sua abdicação ao trono. As palavras do estadista orientam algumas conclusões. As pessoas notarão que, quase dois séculos depois, a mesma mentalidade mesquinha permanece chancelando os projetos de governo no Brasil. Será que, do nascimento, nossa nação está condenada à incipiência moral e administrativa para sempre?
 
O exercício da democracia não se pratica, unicamente, com o clique obrigatório na urna, mas também pelo reconhecimento de que o país é rico em riquezas naturais, culturalmente colorido e, inequivocamente, alimentado pelo potencial daquilo que poderia se tornar. Tais constatações se manifestariam por meio de uma sociedade crítica e atuante, que enveredaria para os caminhos da ética e da afirmação. Reconhecer os problemas do presente para lançar os alicerces do futuro, eis o valor da independência.
 
Há um consenso de que o Brasil vai mal. Na hora de argumentar o porquê, entretanto, poucos sabem elencar os motivos, exceto os problemas da própria circunstância de vida. Isso tem nome: pessimismo. Enquanto o brasileiro não perder o funesto ‘complexo de vira-lata’ e começar a se enaltecer ao patamar que merece, não haverá mudança significativa. Protestar com embasamento, usar a liberdade em favor da liberdade... o país merece avançar a esse nível. De outro modo, o sonho não vira realidade.
 
Façamos uma crítica contundente. Enquanto chovem impasses na esfera pública, o Brasil ficou refém de siglas e ideologias de ocasião. Estamos nas mãos de um sistema que não renova, apenas substitui. Um sistema que vende, a cada eleição, a esperança de um país melhor, incomparável, perfeito. E a cada nova eleição, mascara problemas não filtrados nos últimos quatro anos de gestão. Afinal, que política sem vigor é essa? A mesma política que aumenta vigorosamente salários de deputados e pena para reajustar os do cidadão trabalhador.
 
Poeticamente, o grito de Dom Pedro I pela independência – “Independência ou morte” – inspira os pilares do futuro. Somos uma nação noviça, entretanto. O regime democrático ainda tem muito a evoluir. Que país os políticos estão construindo? Nas urnas, que país você está construindo? Neste Dia da Pátria, essas reflexões devem ser endêmicas de cada brasileiro. Lembre-se: o pensamento crítico incendeia a fagulha da mudança. Pela prosperidade, está na hora de repensar o Brasil.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet