Artigos / Benedito Figueiredo Junior

11/05/16 às 12:43

Reconstruir a mama é reconstruir a auto-estima

Imprimir Enviar para um amigo
O câncer de mana é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil. O Instituto Nacional de Câncer(INCA) estima que 57.960 novos casos devem surgir em 2016.
 
Em alguns casos é necessária a retirada total da mama (mastectomia) em outros só  a parcial, mas de alguma forma o psicológico da mulher é abalada pela mutilação que sofre vendo ser retirada um pedaço da sua feminilidade.  Uma opção após a alta é a reconstrução da mama.
 E muito embora o procedimento seja coberto pelos planos de saúde e pelo Sistema Único de Saúde(SUS) o número de cirurgia de reconstrução de mama ainda é muito pequeno. Em Mato Grosso é realizado pelo SUS no Hospital do Câncer e em médica são 20 cirurgias por ano. Índice muito baixo.
 
A cirurgia é como qualquer outra. Exige indicação do médico e completa avaliação do risco cirúrgico.
 
Tanto é usado para preencher a mama a técnica de retalhos retirado da região abdominal ou dorsal (costas), é levado ao local a ser operado. O retalho é um tecido retirado de uma região do corpo e transferido a outra.
 
Em alguns, recomenda-se  implante de prótese com uma forma de aumentar o volue da mama a ser reconstruida, mas é preciso haver pele e ela deve estar em boas condições.
 
Às vezes é necessário que sejam feitas mais cirurgias até se conseguir o resultado o mais próximo possível do desejado.
 
Entre 3 e 6 meses depois da reconstrução, a paciente pode passar  por uma cirurgia complementar e se preciso opera a outra mama para deixar as duas simétricas.  
 
Algumas mulheres podem ter que reconstruir o bico e auréola do peito. Nesses casos tanto podem se usar a técnica da tatuagem como pode ser feito com enxertos de pele e mucosas próprios da paciente. O médico discute com a paciente qual será a melhor opção.
 
Essas cirurgias em média duram 3 horas e o pós-operatório deve ser seguido com repouso, uso de antibióticos e anti-inflamatórios.
 
É importante a paciente saber que a sensibilidade da mama não volta ao normal após a reconstrução mamária, ainda que possa melhorar com o tempo. A cicatrização é um processo lento, que costuma deixar marcas, ainda que discretas.
 
Em caso de implantes de silicone é necessária a realização de exames de acompanhamento periódicos.
 
Qualquer  alteração na mama reconstruída deve ser informada imediatamente ao seu médico.
Benedito Figueiredo Junior

Benedito Figueiredo Junior

Benedito Figueiredo Junior é cirurgião plástico na Angiodermoplastic. CRM 4385 e RQE 1266.
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Jesus pode até voltar...

   “Se me amais, guardai os meus mandamentos; e eu rogarei a meu Pai e ele vos enviará outro Consolador, a fim de que fique eternamente convosco: – O Espírito de Verdade, que o mundo não pode receber...

 
 
 
 
Sitevip Internet