Artigos / Gabriel Guidotti

30/08/15 às 22:29

PMDB luta contra o cerco

Imprimir Enviar para um amigo
 
Acanhado pelas denúncias de corrupção e lavagem de dinheiro a um dos seus mais expressivos representantes no cenário político - o presidente da Câmara, Eduardo Cunha – o PMDB resolveu não ficar inerte diante da crise que envolve o partido. Após um primeiro semestre de alternância entre oposição e situação, os peemedebistas perceberam o cometimento de um erro estratégico: achar que Dilma Rousseff definharia até o fim de seu mandato. A balança inverteu.
 
Durante a semana, o partido vai tentar reconquistar território perdido por intermédio de uma série de inserções televisivas. Sob o lema de ‘A verdade sempre é a melhor escolha’, lideranças da sigla afirmam nos vídeos que o Brasil seguiu caminhos equivocados e agora precisa mudar de direção – admitindo os problemas. Cunha participa da campanha declarando que sua verdade está em defender a independência da Câmara, cumprindo rigorosamente a Constituição.
 
Pergunto-me se defender a Constituição seria a única verdade a ser revelada. O vice-presidente da República, Michel temer, assumiu as funções da Secretaria de Relações Institucionais em abril, após o agravamento da crise entre o Planalto e o Congresso. Na semana passada, entretanto, ele optou por se afastar gradativamente da Pasta, motivado por supostas articulações paralelas promovidas pelo governo.
 
Quando da indicação de Temer para a função, não havia argumento em contrário: os rumos do país estavam nas mãos do PMDB. Suponho que o Planalto tenha observado essa realidade com atenção. Passar por cima do vice-presidente demonstra falta de confiança, embora o peemedebista tenha obtido êxito na articulação para aprovação das medidas do ajuste fiscal na Câmara e no Senado. O que a verdade revelará sobre essa saída repentina? Cisão não oficial, no mínimo. E vai ser assim até 2018.
 
Destarte, falar em verdade na política é risível. Se a verdade dos partidos entrasse na agenda do eleitorado, não haveria eleição, pois faltariam candidatos confiáveis. É assim que o jogo funciona, um sabotando o outro. O PMDB pode tentar vender uma imagem de honestidade e perseverança pelo Brasil, mas vai, como todos, desembocar na vala-comum. Após ter o país nas mãos, a sigla vive nova fase em que é a caça, não o caçador. Aguardemos os próximos episódios.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet