Artigos / Severiá Maria Idioriê Xavante

29/08/15 às 20:04 / Atualizado: 29/08/15 às 21:24

Povos indígenas, culturas e educações

Imprimir Enviar para um amigo
Cada sociedade concebe o corpo humano conforme seu sistema de significados, sua cultura. É a partir destes significados que decidem o ideal intelectual, afetivo, moral ou físico que a educação por meio da socialização de suas crianças marca. A cultura ao iniciar este processo torna em “natural e universal” os padrões de comportamento que foram moldados. Contudo, por uma simples observação em nosso meio notamos que o corpo humano é afetado pela religião, pela ocupação, pelo grupo familiar, pela classe e outros fatores sociais e culturais.

. Como foi dito anteriormente, cada sociedade é prenhe de significados que desejam imprimir nas suas crianças e jovens por meio de socializações. E, cada povo em particular tece essa rede de significados. Muitas sociedades indígenas, ainda mantêm uma educação especializada como prática social que une o saber, a vida e o trabalho. Educam-se na vida do dia-a-dia da comunidade, quando fazem suas roças, coletam frutas e escutam as histórias dos mais velhos e realizam e participam de cerimônias coletivas.

Essa educação, que no cotidiano garante aos mais jovens a constituição de uma identidade coletiva, é aprimorada nos momentos ritualísticos e festivos presentes em todas as sociedades. Os rituais indígenas geralmente marcam passagens de uma fase da vida para outra, como nominação (imposição do nome após o nascimento), o funeral, a reclusão (masculina e feminina) ou casamento. Nesses ritos de passagem, cada indivíduo é integrado à sociedade a partir da cultura, e nela se constitui pessoa.

Nas sociedades indígenas, a educação e a instrução se configuram como parte de um mesmo processo de formação de cada pessoa e a interdisciplinaridade é uma constante, pois não há a disciplinarização dos saberes tradicionais, embora haja autoridades específicas responsáveis para instruir determinadas práticas corporais e artísticas, estas são sempre voltadas para a constituição da pessoa de forma processual e educativa, tendo como sustentação sempre ações coletivas.

Para os povos indígenas a escolarização foi uma necessidade pós-contato Diante disto, como ocorre à formação dos professores indígenas dos primeiros anos? Na escola valoriza a identidade em particular ou eles acabam imprimindo os significados dos “outros”? A educação processada nos corpos das crianças é da sociedade não indígena? Relatos de alguns professores indígenas e não indígenas nos cursos de formação trazem uma realidade que desconsidera as sociedades indígenas e provocam a baixa-estima e vergonha nos alunos indígenas e o desmantelamento da cultura desses povos. Qual educação escolar vai ao encontro dos anseios da comunidade?

Portanto, é fundamental possibilitar políticas públicas que inicie ou reafirme um processo de educação escolar indígena  que supere a escola que historicamente tem mantido as diferenças e a desqualificação dos saberes tradicionais, passa por reconhecer esses saberes de forma integral, isto é, interdisciplinar, histórica e intercultural, para a partir dele, questionar quais conhecimentos da sociedade envolvente interessam e como devem ser apropriadas para que possam contribuir para o fortalecimento de cada identidade indígena específica.

Com a comunidade indígena é possível transformar a escola num espaço que reconheça as diversidades socioculturais e estabeleça a interdisciplinaridade, uma possibilidade para a educação intercultural, isto significa uma educação que valoriza as diferenças sem promover a exclusão de formas de pensar e ser e, assim, amplie a visão de mundo e da realidade vivenciada.

E, como disse o líder ativista Airton Krenak é o processo histórico de resistência dos povos indígenas que vai delinear o papel que a educação escolar assumirá como mediadora das relações com a sociedade envolvente contemporânea.
Severiá Maria Idioriê Xavante

Severiá Maria Idioriê Xavante

  Mestranda do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso, Linha de Pesquisa: Movimentos Sociais, política e Educação Popular. Graduada em Letras Modernas Inglês/Português pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Professora licenciada da Escola Estadual Indígena de Educação Básica “Etenhiritipá”. E-mail: idiorie@gmail.com
 
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet