Artigos / Eduardo Gomes de Andrade

17/03/16 às 22:03

De tempo

Imprimir Enviar para um amigo
Abraão temeu pelo amanhã de Sodoma e desafiou o Senhor para que a poupasse do fogo em nome da preservação das vidas de 50 justos. Deus as pouparia. O Patriarca hebreu ponderou para 45, 40, 30, 20, 10 e o Criador o atenderia desde que entre a devassidão moral naquela cidade existisse a mencionada dezena de figuras honradas. O desfecho está em Gênesis. Sodoma é o sugestivo título de uma operação policial que levou para a cadeia algumas das cabeças mais ilustres do ontem político e sindical mato-grossense.

Brasília e Mato Grosso estiveram mergulhados por muitos anos numa deslavada sodomia política que parecia não ter fim. No Planalto, na força da ressonância popular nacional, começa raiar o sol nas trevas da imoralidade do poder. Aqui, já se vê luz. A moralização é imprescindível, mas não é a única porta que dá acesso ao desenvolvimento e ao surgimento da verdadeira justiça social na continentalidade brasileira.

O Brasil e Mato Grosso precisam de mais Sérgio Moro e Selma Rosane de Arruda, de maior vigor no Ministério Público e na Polícia Judiciária. Precisa de tudo isso e também de bons administradores com liderança.

Governo não se faz com discurso nem com algemas. JK transformou o Brasil com o Plano de Metas dos 50 anos em 5. Eleito governador em 2002, Blairo Maggi não tinha programa administrativo. Sua vitória nasceu do desencanto com o discurso que se volatilizava. No final daquele ano, em Lucas do Rio Verde, acendeu-se a luz que brilharia nos primeiros quatro anos da administração Blairo. O prefeito anfitrião Otaviano Pivetta sugeriu a criação de PPPs Caipiras do Paiaguás com produtores e prefeituras para pavimentar estradas e com elas Mato Grosso criou uma espinha de peixe alimentadora das rodovias federais. JK tinha programa. Blairo o ganhou na bacia das almas.

Mato Grosso é vácuo de obras da União. Cadê as ferrovias? Os portos? O Hospital Universitário? A Base Aérea de Cáceres? A duplicação da BR-163? A presença de Brasília aqui fica restrita aos programas de transferência de renda (e de votos). Nada mais. Essa situação causa indignação popular e alimenta raivosos discursos de antigos usurpadores de favores do Estado, agora travestidos de moralismo.

Deixemos que a Justiça cumpra seu papel em Brasília e aqui. Saibamos cobrar desempenho administrativo. Invoco o princípio de Abraão para mostrar a inércia governamental. Em Mato Grosso não há 1.000 trabalhadores em obras federais e estaduais. Não há 900, 500, 300... O discurso assistencialista de Dilma não se sustenta mais. A fala moralizadora de Pedro Taques, também não. Tenhamos sempre em conta que é importante a exorcização da corrupção, mas não nos esqueçamos de que tão danoso quanto ela é a inércia dos governantes que nos rouba o mais preciso dos bens: o tempo.

Eduardo Gomes é jornalista
eduardo@diariodecuiaba.com.br
Eduardo Gomes de Andrade

Eduardo Gomes de Andrade

Eduardo Gomes de Andrade – jornalista
.
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Juacy da Silva

Envelhecimento e saúde integral

A saúde, não no sentido simplesmente de ausência de doença,  mas sim, como enfatiza a Organização Mundial da Saúde, organismo especializado da ONU para esta área,  como “o mais...

 
 
 
 
Sitevip Internet