Artigos / Gabriel Guidotti

28/02/16 às 22:23

Construindo destinos

Imprimir Enviar para um amigo
Destino. O plano está traçado ou tudo o que fazemos é instrumento de nossa própria vontade? A resposta varia conforme a crença de cada um. Há momentos em que a vida parece acontecer de forma ordenada, preenchendo as etapas do crescimento. Do lado oposto, muitas pessoas sofrem diariamente no descompasso – tudo vira motivo de infelicidade. Pelo visto, o tal destino age de formas misteriosas.
 
A pergunta a respeito do destino só vem quando o fato terreno, por si só, é insuficiente. Parece haver algo não explicado no ar. Na mitologia grega – e os gregos pensaram em tudo – a trajetória dos homens estava traçada. As Moiras, três irmãs fantásticas, extremamente poderosas, controlavam o desfecho de todas as criaturas. Cloto desfiava as linhas da vida. Átropos determinava a duração. Láquesis era o carrasco.
 
A ideia de que você não está no controle dos seus passos pode ser desmotivadora, exceto se o plano traçado for de puro sucesso. Mas não há como saber o amanhã. Pensando bem, qual seria a graça da jornada sem a emoção do mistério? O inusitado nos edifica, nos permite refletir. Vai ver o destino é um misto de ação e roteiro, extraordinário e mutável. Vai ver tudo que vivemos e fazemos sempre aconteceu e continua acontecendo nas linhas do tempo.
 
Estava escrito que eu produziria este texto? Talvez, mas dei duro para que as palavras saíssem em um contexto favorável. Penso que o esforço constrói destino, mas destino não constrói esforço. “Era para ser” tantas pessoas descompromissadas no mundo ou tudo é uma relação de causa e efeito gerada pela falta de interesse? Qualquer seja a resposta, certamente não há destino que se consagre sem o empenho de cada um.
 
Em suma, o destino constitui uma luta diária, um abraço no próprio potencial. Não está no destino de ninguém morrer num acidente de carro ou ganhar na loteria. Mas o imprevisível acontece. O futuro é um livro aberto, pois as Moiras não existem. Ainda assim, um roteiro divino mal não faria. Deus possibilita a jornada: eis nossa grande benção. No proveito de cada dia, de cada momento, e na convivência com as pessoas, estamos construindo um brilhante destino. Lembre-se disso.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

As mulheres da minha vida

Thomires era o nome da minha avó paterna.  Descendente de franceses, tinha a pele muito alva e os olhos azuis claros, que lembravam o mar. O louro esbranquiçado do seu cabelo remetia-me aos das minhas bonecas. Adorava admirar o...

 
 
 
 
Sitevip Internet