Artigos / Gabriel Guidotti

31/01/16 às 20:39

Em direção ao futuro

Imprimir Enviar para um amigo
 
Viro a ampulheta, resta uma hora de vida. Uma hora para o segredo do tempo. Cada grão, uma atitude. Cada ato, uma deidade. Em 60 minutos é impossível mudar o mundo, mas é possível fazer muito. Você pode se ajudar lutando para fazer o melhor. O melhor em direção ao futuro. Voltar é impossível e tudo que aconteceu, aconteceu. O passado congelou para nunca mais retornar ao seu estado líquido.
 
O tempo é implacável. Ele conspurca, deteriora, castiga, mas perpetua. A perpetuação se dá através de suas areias, que nos permitem determinar marcos. O fado do destino é sempre o mesmo: causa e efeito. Se o curso for errático, não há sentido de existência, e você estará perdido. Não se submeta à perdição. Afaste-a de suas intenções. A vida constitui infinitas possibilidades.
 
As areias do tempo continuam caindo. Não há como pará-las. O invólucro de vidro da ampulheta é o mesmo invólucro da impotência de indivíduos aprisionados, como os grãos que já caíram. Eles podem repetir a queda milhões de vezes e jamais sairão do lugar onde estão, dentro do vidro. Não há projeções animadoras. A escuridão domina todas as inquietações. O silêncio, tão melancólico, se transforma na principal forma humana de linguagem.
 
Centenas de obstáculos se erigem à frente.  A dificuldade em superá-los é natural. Tão natural quanto o primeiro encontro com a alma-gêmea. Os esforços de cada um virarão história. Das areias restam apenas alguns minutos. As pessoas de bem destinaram cada segundo que passou à superação. Faltaram atos de maior expressão? Você tentou, ao menos. Lembrando que o “e se?” representa potencialidades deixadas para trás. Escolhas precisam ser feitas.
 
Dez grãos para o fim. O fluxo temporal está na reta final. Dez para endireitar a espinha. Nove para pensar nos pormenores. Oito para a angústia dos erros cometidos. Sete para lamentar por quem vive sem amor. Seis para piscar os olhos em sinais de cansaço. Cinco para o costume à nova realidade. Quatro para perscrutar a verdade. Três para se arrepender. Dois para o último suspiro. Um para a esfuziante luz da revelação.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

As mulheres da minha vida

Thomires era o nome da minha avó paterna.  Descendente de franceses, tinha a pele muito alva e os olhos azuis claros, que lembravam o mar. O louro esbranquiçado do seu cabelo remetia-me aos das minhas bonecas. Adorava admirar o...

 
 
 
 
Sitevip Internet