Artigos / Gabriel Guidotti

24/01/16 às 21:02

A resposta de cada um

Imprimir Enviar para um amigo
O ser humano é naturalmente empírico. A razão ele descobre ao compasso de seu crescimento e evolução. Vejamos um exemplo: como saber se alguém está vivo? Bastaria ater-se a fenômenos observáveis, como respiração inabalada e capacidade cognitiva? Depende do referencial de cada um. Há peculiaridades que os sentidos não podem absorver. Para conhecê-las, paradigmas precisam ser quebrados.
 
Mudemos a pergunta: o que faz alguém viver? A principal motivação. Seria um desejo? Uma ambição quase impensável? Que tal um ente querido? Talvez um pouquinho de todos esses elementos. Para seguir em frente, o espírito deve permanecer em constante ebulição. Não dá para arrefecer, perder oportunidades. Cavalo encilhado passa apenas uma vez. E corcoveando. Se a inépcia for pessoal, perdoe a si mesmo. Um dia você alcançará os seus sonhos.
 
Reforço a pergunta: o que faz você viver? Que não seja um argumento vazio. Trivialidades não preenchem o espírito, apenas batem no casco. Aliás, não chegam nem perto. O que é um homem senão a soma de suas memórias? Nós somos os contos que vivemos, as histórias que contamos. Sem lembranças, é dado um pulo no escuro – intangível, puramente gravitacional. Uma força invisível mantém o corpo, atomizando a sensação de angústia. A felicidade não emana luz na escuridão.
 
Se o intelecto exigir, a solidão pode ser uma amiga fiel. Mas ela é exclusivista, viciante. Fácil de entrar, difícil de sair. O espírito edifica-se na coletividade. Conhecer os outros, ladrilhar pontes douradas de diferentes culturas e caminhar por elas falando português, italiano, alemão, aramaico, etc. A abertura dos portos! A bandeira branca hasteada para afirmar: queremos paz e amor. Fiquem longe, canhões da guerra.
 
A escolha é sua. O que faz você viver? Já chegou a uma resposta? Se a conclusão não estiver na ponta da língua, instaure um processo de análise. Autoanálise. Questione a direção dos passos dados. Vale a pena continuar naquele rumo? Mude sua convicção, resfrie o sangue e palpite o coração em batidas cronometradas, dentro do prumo, ciente de suas responsabilidades. Não existe mistério. Sabe o que lhe aguarda no final? Mares de cor azul-turquesa. É muito lindo.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

João Spenthof

Cooperativismo de crédito: trabalhar para transformar

Cooperar é uma palavra que tem várias definições. Uma delas é operar em conjunto, é – o que podemos dizer – ser coautor(a) de uma mesma obra. Esses “coautores” são chamados de...

 
 
 
 
Sitevip Internet