Artigos / Gabriel Guidotti

12/01/16 às 21:58

A arte de fracionar

Imprimir Enviar para um amigo
Ao longo da história, a humanidade se especializou na arte de fracionar. Começou com as migrações forçadas em busca de comida e territórios de clima ameno, algo que incitou a divisão das primeiras tribos. Criamos lanças, armas de fogo, castelos. O caráter da exclusividade reverteu as inovações tecnológicas em prol da divisão de nossos entes. Não raro, a guerra estava no epicentro dessa equação insolúvel. E então, nasceu a política.
 
Nesse sentido, embora a tecnologia caminhe no compasso da política, as linhas de progressão destas duas formas de manifestação humana são absolutamente distintas. Como vive a sociedade do século 21 em comparação à sociedade da Idade Média? A resposta é evidente. O relacionamento entre as pessoas, todavia, guardadas as proporções de ocorrências trágicas como a Inquisição, permanece semelhante. Há discordância por toda parte, tanto em uma época quanto na outra.
 
Em outras palavras, a tecnologia evolui em linha reta e para frente. A política está estagnada, pois ainda não encontramos um meio eficaz de vivermos juntos. Onde há pensamento, há divergência. A lei tratou de disciplinar nossos atos, mas não nossos corações. A paixão por uma ideia vira ódio, se transforma em extremismo. Não que todos devam pensar exatamente da mesma forma, mas visar o bem comum... Inexiste coletividade nesse quesito.
 
Aprendemos a cozinhar, aprendemos a produzir mais energia. Depois veio a escrita, a matemática. Criamos aparatos dos sonhos, uma engenharia humana inspirada em Deus. Nossos arranha-céus povoam zonas urbanas. Desvendamos milhões de segredos do espaço. Livros perenes continuam insuflando o intelecto de jovens ao longo dos séculos. A despeito de tamanha evolução, as relações interpessoais continuam selvagens. Nos órgãos do poder, não existe situação sem oposição.
 
E se todos fossem situação, em favor do bem comum? A política humana é mesquinha, não encontra formas de unificar o poder ou direcioná-lo a um propósito estritamente coletivo. Os romanos, cujos contos inspiram nossa sociedade até hoje, já haviam nos alertado sobre as intempéries de um mundo supostamente civilizado. Ditaduras dão lugar a repúblicas. Repúblicas dão lugar a impérios. Sempre existirão monarquias. A tecnologia, em paralelo, segue seu rumo em direção ao infinito.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Evandro Carlos

Mauro Mendes, seu plano era “iludir”? Que pena, o meu era te fazer feliz!!!

A música Milu, do cantor mineiro Gustavo Lima, é um dos grandes hits da musica nacional da atualidade, nela o interprete conta a historia de alguém que vive iludido, lembrando que quem cai uma vez, cai três, mas que ele...

 
 
 
 
Sitevip Internet