Artigos / Gabriel Guidotti

03/01/16 às 22:49

A crença num mundo melhor

Imprimir Enviar para um amigo
Ano-Novo, vida nova. Na percepção de uma única pessoa, o ditado faz sentido. Mas e quando se trata do contexto de um país? Milhões em expectativa para saber o futuro da política. Este é o Brasil de 2016. Após um 2015 massacrante, cheio de desmandos, o povo brasileiro olha para o futuro com um ponto de interrogação na cabeça. O crescimento retornará? Haverá mais trabalho e menos beligerância entre os partidos? Que novas cartadas a Lava-Jato jogará no coração do poder?
 
No momento, a interrupção do clima tempestuoso passa pela definição, por parte do Congresso, dos rumos de Dilma Rousseff na presidência da República. Embora o governo tenha anunciado na última semana de 2015 que quitou as malfadas ‘pedaladas fiscais’, o impeachment não mais passa pelo espírito da lei. A partir de janeiro, recomeça a batalha dos bastidores, na qual quem tiver mais poder de persuasão, vence. No caso, situação e oposição.
 
Mas o Ano-Novo será acirrado por outros motivos. Continua o êxodo de refugiados no Mediterrâneo. Há mortos todos os dias. O terror do Estado Islâmico promete novos ataques ao mundo ocidental. Conseguirá a humanidade conter o sofrimento de tantos? Como os países europeus vão lidar, dentro de suas políticas majoritariamente de direita, com a crise? Fechando fronteiras? Lutando pela inclusão e pela pacificação dos territórios de origem dos imigrantes? Alguma solução precisa brotar.
 
As primeiras semanas de janeiro servem à reflexão. A melancolia toma conta dos indivíduos. O exercício coletivo de momento consiste em imaginar: ‘onde estarei 12 meses adiante?’. Com planejamento e esforço, num lugar melhor. Basta acreditar. Eu acredito que a política no Brasil vai se estabilizar. Eu acredito que, apesar da vulnerabilidade dos refugiados sírios, a humanidade tem plenas condições de acalentar a dor do próximo. Bilhões, como um só. É disso que todos os desamparados do mundo necessitam.
 
Façamos, em 2016, um mundo melhor. Chega de guerras e mortes. Chega de machucar companheiros a fim de buscar projeção. Nós nascemos da luz, não da escuridão. Os problemas surgem sazonalmente, nada de novo. O poder de superá-los está dentro de cada um de nós. A força-motriz de mudar realidades habita o nosso íntimo. Utilize esta força em prol da paz e do bem. 
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Evandro Carlos

Mauro Mendes, seu plano era “iludir”? Que pena, o meu era te fazer feliz!!!

A música Milu, do cantor mineiro Gustavo Lima, é um dos grandes hits da musica nacional da atualidade, nela o interprete conta a historia de alguém que vive iludido, lembrando que quem cai uma vez, cai três, mas que ele...

 
 
 
 
Sitevip Internet