Artigos / Gabriel Guidotti

13/12/15 às 23:40

A rainha que jamais conseguiu perdoar

Imprimir Enviar para um amigo
Lisboa, 1908. O coche do rei Carlos I transitava pelas ruas da capital com o toldo aberto, permitindo aos súditos da coroa uma visão privilegiada do soberano do país. Num período de turbulência política, o ato desafiou os partidos rivais da época, que espalhavam as fagulhas de um vindouro incêndio republicano. O rei desejava exibir uma monarquia coesa e interessada. Para tanto, ele posava junto de sua família: o príncipe Luís Felipe, herdeiro natural do trono, o príncipe Manuel, e sua mulher, a rainha Maria Amélia.
 
Conduzido de perto pela guarda monárquica, o coche adentrou a Praça do Comércio, então conhecida como Terreiro do Paço, um dos cartões-postais de Portugal. E ali, de soslaio, a família real sofreria um terrível baque. Das sombras, dois homens atacaram o veículo, atirando contra as figuras que o ocupavam. Faleceram o rei e o príncipe Luís Felipe. Manuel e Amélia sofreram ferimentos leves. Os atiradores foram mortos logo em seguida. Com o regicídio, o movimento republicano arrefeceu seus ânimos.
 
A morte do rei de forma tão covarde reavivou o sentimento nacionalista do povo português, que foi às ruas chorar o sangue derramado da Casa de Bragança. A rainha Amélia nunca se recuperou do atentado. Ironicamente, do quarteto que ocupava o coche, ela seria o último membro a falecer (1951), isto é, o pesadelo de suas memórias a perseguiria durante décadas. Manuel II, o último monarca de Portugal, ficaria no cargo apenas 2 anos, dando lugar à república, em 1910. Faleceu no ano de 1932.
 
Amélia ficou conhecida como “a rainha que jamais conseguiu perdoar”. Ela passou o resto de seus dias em Portugal refugiada no Palácio da Pena, o mais isolado castelo do Estado português. Com o fim da monarquia, partiu para o exílio na Inglaterra, mas não sem antes proferir as icônicas palavras. “Quero bem a todos os portugueses, mesmo àqueles que me fizeram mal”.
 
Há Amélias espalhadas pelo mundo inteiro. Muitas vítimas, muitos algozes. A rainha de Portugal não conseguiu perdoar. Você perdoaria? Nossa espécie, ao longo da história, se especializou em matar, pelos mais diferentes motivos. Resta aos bons resistir. Resistir e remediar, pois o mundo continua. O erro dos outros acontece o tempo inteiro. Hoje os corpos da família real descansam em paz no Panteão dos Bragança, em Lisboa. Na morte, encontraram a tranquilidade que seus opositores não lhes deixaram ter em vida.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Evandro Carlos

Mauro Mendes, seu plano era “iludir”? Que pena, o meu era te fazer feliz!!!

A música Milu, do cantor mineiro Gustavo Lima, é um dos grandes hits da musica nacional da atualidade, nela o interprete conta a historia de alguém que vive iludido, lembrando que quem cai uma vez, cai três, mas que ele...

 
 
 
 
Sitevip Internet